TECNOCIÊNCIA

Print Friendly

Gene favorece hanseníase

ED. 200 | OUTUBRO 2012

 

A suscetibilidade à hanseníase pode estar associada a diferentes formas, denominadas polimorfismos, que o gene ficolin 1 (FCN1) pode apresentar numa população. O gene produz uma proteína, a M-ficolina, cujos níveis parecem guardar alguma relação com a propensão a ter a doença. De acordo com a variante do gene presente no DNA, um indivíduo pode estar mais protegido ou exposto à infecção pelo Mycobacterium leprae, agente causador da hanseníase. A conclusão é de um estudo feito por pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR), da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) e colegas da Dinamarca e Alemanha (Journal of Clinical Imunology, 1º de setembro de 2012). O trabalho envolveu 715 indivíduos do Brasil (315 com lepra e 400 do grupo controle) e 296 dinamarqueses sadios. Depois de sequenciarem o gene em questão nessa amostra populacional, os pesquisadores encontraram 10 variantes do FCN1 e perceberam que algumas dessas formas aparentemente favorecem o surgimento da hanseníase.


Matérias relacionadas

LJUBICA TASIC
Teste poderá auxiliar no diagnóstico de distúrbios psiquiátricos
YURI LEITE
Zoólogo comenta análise que revelou parentescos em família de roedores
EPIDEMIOLOGIA
Gastroenterite pode ter contribuído para o declínio do império Asteca