ARTE

Print Friendly

Intervenções na rua

Eduardo Srur transforma o espaço público em plataforma de experimentação plástica

MARIA HIRSZMAN | ED. 202 | DEZEMBRO 2012

 

Intervenção feita com a ajuda de estudantes universitários diante do Congresso Nacional: a arte como forma de resgate

“A arte salva.” O lema, escrito em cada uma das 360 boias lançadas ano passado por Eduardo Srur nos espelhos d’água do Congresso Nacional, com a ajuda de estudantes da Universidade de Brasília, sintetiza o anseio de transformar a ação artística em uma espécie de alerta contra as mazelas da nossa sociedade, ambição que marca a trajetória do artista. Srur – que iniciou sua carreira há menos de uma década com a imponente e poética instalação Acampamento dos anjos, na qual uma série de barracas de acampamento coloridas e iluminadas internamente foram dispostas sobre a fachada do atual Instituto do Câncer Octávio Frias de Oliveira, então inacabado, na conhecida avenida Dr. Arnaldo, na zona oeste de São Paulo – se insere numa longa e profícua linhagem da arte de vanguarda: aquela que busca explorar as ferramentas da criação plástica de forma conectada com a vida cotidiana das pessoas, transformando o espaço público em plataforma de experimentação, e provoca a reação do público por meio de estratégias mistas de sedução visual, choque semântico e subversão de escalas e sentidos.

Ao longo do século XX, essa via foi seguida por inúmeros grupos e artistas, a começar pelos dadaístas, cujo manifesto de 1918 dizia que “o novo artista protesta: já não pinta”, e assumiu os mais diferentes contornos ao longo do tempo. No Brasil, o pioneiro em ações deste tipo foi Flávio de Carvalho, que nos idos de 1931 chocou a ainda provinciana população de São Paulo ao andar em sentido contrário de uma procissão sem retirar o chapéu da cabeça e quase foi linchado.

Em defesa do meio ambiente: caiaques pilotados por manequins encalham no lixo do rio Tietê

Por princípio, a intervenção urbana genuína é um campo aberto, multidisciplinar, que se alimenta das mais diferentes fontes, absorvendo elementos do teatro, do urbanismo, das artes conceitual e pop e com um predominante acento coletivo. No caso de Srur, no entanto, há uma forte preservação do caráter autoral do trabalho, em contraposição à força crescente dos coletivos na produção de arte urbana no Brasil dos últimos anos. Outro aspecto que se destaca em seu trabalho é a maior ênfase no acabamento elaborado das peças. Ele dá grande atenção à plasticidade em suas intervenções de caráter público, revelando uma clara estratégia de usar o belo, o bem-acabado, como arma de sedução e convencimento, aproximando-se assim das ações de Christo, artista búlgaro nacionalizado norte-americano, conhecido por empacotar monumentos e ilhas inteiras e indicado por Srur como uma de suas principais influências.

Com formação em artes plásticas e publicidade, o artista recorre a ferramentas desses dois campos e estabelece um perigoso jogo de inversão, no qual utiliza as próprias armas de sedução da sociedade de consumo, explora elementos cotidianos e os ícones da cultura de massas para denunciar suas contradições. O artista paulistano parece fazer questão de manter-se praticamente afastado do circuito das artes. Seu espaço não é o das galerias e museus, mas a cena pública das grandes cidades. Ele costuma dizer que considera a cidade de São Paulo como um grande laboratório a céu aberto, onde as questões que pretende explorar estão pulsando permanentemente. Seu papel é apenas dar visibilidade a elas, recorrendo a diferentes estratégias. Ele continua pintando, como forma de expressão individual e fonte de renda, mas é evidente que privilegia as ações de impacto desenvolvidas tendo como base a produtora Attack. Como já indica o próprio título da produtora, a estratégia central é atacar, de forma cirúrgica e retumbante, uma determinada questão, de forma a gerar uma espécie de curto-circuito, que abra novas possibilidades de percepção e desejo de mudança.

Acampamento dos anjos, projeto inaugural realizado em 2004: poesia urbana

Seu alvo pode ser a política, o desastre ambiental – tema que vem se tornando uma frente predileta de combate, talvez por contar com maior apoio dos vários agentes, públicos e privados, necessários para levar a cabo ações de grande impacto como as que costuma produzir. Ou até mesmo um engodo mercadológico no mundo das artes, como a Cowparade. Para evidenciar o caráter artificial e estéril dessa iniciativa internacional que nada tem a ver com o veio transformador inerente ao conceito mais preciso de intervenção pública, Srur lançou mão de uma estratégia quase de guerrilha, submetendo duas dessas esculturas de fibra de vidro à fertilidade de touros moldados no mesmo material e montados sobre elas na calada da noite, na edição 2010 do evento, na cidade de São Paulo. Tal intervenção denuncia o caráter artificial das vaquinhas padronizadas, espalhadas pelas cidades como um discurso vazio de arte urbana, meramente decorativa e mercadológica, mas rendeu também a seu autor um processo por ato obsceno, difamação e danos materiais.

Se em muitos casos concentrar a idealização e consecução da obra num único núcleo (de autoria artística ou viabilização por meio de produtora Attack) é mais limitador do que a fluidez e liberdade de ação dos grupos coletivos, isso permite, por outro lado, viabilizar ações de grande impacto e reverberação, como as instalações de réplicas em vinil de garrafas pet de tamanho gigantesco na marginal Tietê (2008) e posteriormente em outros lugares como a represa de Guarapiranga; ou a realização recente de uma corrida entre uma carruagem, trafegando pela ciclovia, e um carro no congestionamento da marginal do Pinheiros como forma de denúncia contra o trânsito caótico. O resultado foi um empate técnico, ambos atingindo uma velocidade de cerca de 18 quilômetros por hora.


Matérias relacionadas

RUI SEABRA FERREIRA JÚNIOR
Brasil se destaca em número de publicações científicas de acesso aberto
GILSON MOREIRA
Larvas induzem planta do Pampa gaúcho a produzir galhas
MARIA DE FÁTIMA ANDRADE
Poluição do ar na cidade de São Paulo diminuiu nos últimos 30 anos