ESTRATÉGIAS

Print Friendly

Apoio privado à ciência

ED. 242 | ABRIL 2016

 

João Moreira Salles: instituto com dotação inicial de R$ 20 milhões

João Moreira Salles: instituto com orçamento anual de R$ 20 milhões

O documentarista e jornalista João Moreira Salles e sua mulher, Branca, anunciaram a criação de um instituto privado de apoio à ciência. Organizado como associação civil com sede no Rio de Janeiro, o Instituto XY (nome provisório) irá trabalhar com orçamento anual de R$ 20 milhões a partir de uma doação inicial feita pelo casal. João é um dos filhos do empresário e banqueiro Walther Moreira Salles (1912-2001). Comum em países como os Estados Unidos, esse modelo de financiamento, conhecido como endowment funds, é composto por doações cujos rendimentos são investidos em pesquisa, infraestrutura e bolsas. “O objetivo é apoiar projetos de pesquisa e de divulgação científica no âmbito das ciências e da matemática”, disse à Agência FAPESP o economista Rodrigo Fiães, encarregado de organizar o instituto e selecionar seu diretor executivo. A ideia surgiu em 2010, quando Salles dava aulas no curso de cinema da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Ele verificou que, naquele ano, a instituição havia formado três físicos, dois matemáticos e 27 bacharéis em cinema. “A taxa de formação de engenheiros no Brasil é inferior à da China, da Índia e da Rússia, países emergentes com os quais competimos”, escreveu em artigo publicado em 2010 no jornal Folha de S.Paulo. Nos últimos anos, Salles promoveu encontros com pesquisadores e visitou agências de apoio no Brasil, como a FAPESP, e em outros países, como o Instituto Fraunhofer, na Alemanha, a fim de levantar ideias para a consolidação do instituto. O XY deve começar a funcionar neste ano.


Matérias relacionadas

IAC em números
CARREIRAS
Saber coordenar grupos de pesquisa cria uma agenda de trabalho sustentável
PESQUISA BRASIL
Especial PIPE 20 anos