Imprimir PDF

VIROLOGIA

Macacos com zika

No Ceará, pesquisadores identificam o vírus em animais habituados à presença humana

Vítimas da proximidade: macacos-prego que conviviam com seres humanos foram identificados com o vírus zika

danielle araujo / instituto pasteur e icb-uspVítimas da proximidade: macacos-prego que conviviam com seres humanos foram identificados com o vírus zikadanielle araujo / instituto pasteur e icb-usp

Em cinco municípios do Ceará, alguns distantes entre si quase 300 quilômetros, há macacos infectados com o vírus zika. Pesquisadores paulistas e cearenses identificaram o vírus em amostras de soro, mucosa oral e saliva de quatro saguis e três macacos-prego habituados ao convívio com seres humanos, encontrados nas áreas urbana e rural de Fortaleza, Limoeiro do Norte, Quixeré, São Benedito e Guaraciaba do Norte.

Os sete animais infectados representam 29% dos 24 macacos cujo material biológico foi analisado pelos pesquisadores nos últimos meses – cerca de outras 30 amostras devem ser testadas nas próximas semanas. “Esta é a primeira vez que o vírus zika é encontrado em primatas do Novo Mundo”, afirma a bióloga Silvana Favoretto, pesquisadora do Instituto Pasteur de São Paulo e do Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (ICB-USP). Silvana e outros seis pesquisadores de São Paulo que integram a Rede Zika, consórcio de laboratórios paulistas que investigam o vírus, descreveram o achado em um breve artigo depositado em 20 de abril no repositório bioRxiv.

O zika foi isolado pela primeira vez em 1947, a partir do sangue de um macaco rhesus (Macaca mulatta) monitorado em uma floresta de Uganda para acompanhar a circulação do vírus da febre amarela. O macaco rhesus integra um grupo de primatas chamados catarrinos, que têm as narinas bem próximas e voltadas para baixo, o mesmo ao qual pertencem os chimpanzés, gorilas e também os seres humanos.

Agora o vírus foi encontrado no Ceará em saguis-de-tufo-branco (Callithrix jacchus) e macacos-prego (Sapajus libidinosus), macacos classificados como platirrinos, primatas com narinas voltadas para os lados. Estima-se que platirrinos e catarrinos tenham compartilhado um ancestral comum entre 37 milhões e 34 milhões de anos atrás. Depois disso cada grupo evoluiu separadamente.

A identificação do zika em primatas das Américas preocupa por uma questão de saúde pública. É que existe um risco de esses animais se tornarem o que os pesquisadores chamam de reservatório silvestre do vírus. Uma vez infectados, eles poderiam manter o vírus em circulação na natureza e, de tempos em tempos, voltar a disseminá-los entre os seres humanos – algo semelhante ao que acontece com a febre amarela em algumas regiões do Brasil.

Por ora, no entanto, isso é apenas uma suposição. Os animais do Ceará identificados com o vírus viviam próximos aos seres humanos. Segundo Silvana, no Nordeste é comum ver saguis visitando os quintais das casas. Também é frequente as pessoas terem saguis e macacos-prego como animais de estimação. “Esses animais são dóceis quando bebês e se tornam mais arredios e, às vezes, agressivos depois que crescem”, ela conta. Por causa dessa proximidade, a pesquisadora suspeita que os macacos tenham sido infectados por mosquitos que picaram pessoas com zika.

“Essa também é minha aposta princi-pal no momento”, diz o primatólogo Júlio César Bicca-Marques, professor da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS). “Se o vírus for encontrado posteriormente em animais silvestres sem contato com o homem, minha interpretação poderá mudar”, consente o pesquisador gaúcho que anos atrás acompanhou um surto de febre amarela silvestre que atingiu os bugios do sul do país. Na época, segundo Bicca-Marques, as pessoas imaginavam que os macacos estavam disseminando a doença e passaram a persegui-los. Bicca-Marques e Silvana temem que agora se inicie o mesmo tipo de perseguição com os saguis e os macacos-prego. “Nossos resultados mostram que lugar de animal silvestre não é preso no quintal, mas solto na natureza, onde os ciclos das infecções acontecem sem prejuízo para as pessoas”, diz Silvana.

Mais sobre zika
Estudo comprova que zika causa microcefalia
ZikaBR

Curiosidade e sorte
Os dois pesquisadores reconhecem que, por ora, quase nada se sabe sobre a ação do vírus zika em primatas não humanos – em especial os do Novo Mundo. “Não sabemos, por exemplo, se adoecem, se os filhotes podem nascer com microcefalia nem quanto tempo o vírus permanece no organismo deles”, conta Silvana. Ela e a veterinária Danielle Araujo, também do Pasteur e do ICB-USP, encontraram concentrações baixas de zika nos saguis e macacos-prego infectados.

A identificação do vírus nesses animais ocorreu por uma combinação de curiosidade e sorte. No ICB-USP, Silvana coordena o Núcleo de Pesquisa em Raiva e há quase duas décadas estuda a doença no Ceará em parceria com a secretaria estadual da Saúde de lá. Causada por um vírus altamente letal para os seres humanos, a raiva tem um ciclo silvestre nesse estado do Nordeste em que um dos reservatórios, identificado tempos atrás por Silvana, é o sagui-de-tufo-branco.

No início deste ano, ao analisar a distribuição dos casos de zika e microcefalia no Ceará, a bióloga verificou que alguns deles coincidiam com as áreas de coleta de amostras do material biológico dos macacos e decidiu testá-las para a presença do zika. “Encontramos amostras positivas para zika em animais que viviam no litoral, em área de caatinga e na região serrana, onde a vegetação é mais densa”, diz a pesquisadora. “Isso mostra que a presença do vírus é disseminada por lá.”

Depois de detectar o zika em algumas amostras, o material genético do vírus foi isolado e sequenciado no Laboratório de Virologia Clínica e Molecular da USP e analisado pelos virologistas Paolo Zanotto e Edison Durigon. O resultado confirmou que o zika encontrado nos animais é o mesmo que infecta os seres humanos no país e pode levar ao nascimento de bebês com problemas neurológicos e o cérebro anormalmente pequeno – do final de 2015 a 23 de abril deste ano, o Ministério da Saúde identificou 1.198 casos de microcefalia, com o zika detectado em 194 deles.

Silvana planeja fazer novas expedições ao Ceará em breve e retornar às cidades em que os animais com zika foram identificados para tentar recapturá-los (eles foram marcados com chips). Se os macacos continuarem a apresentar cópias do vírus no organismo, será um sinal de que podem funcionar como reservatório. “Caso isso se verifique, o zika terá mesmo vindo para ficar, uma vez que não se consegue erradicar doenças que têm reservatório silvestre”, diz Silvana. “Quando muito”, completa, “pode-se controlá-las”.

Projeto
Raiva em silvestres terrestres da região Nordeste do Brasil: Epidemiologia molecular e detecção da resposta imune (nº 2014/16333-1); Modalidade Auxílio à Pesquisa – Regular; Pesquisadora responsável Silvana Regina Favoretto (Instituto Pasteur); Investimento R$ 296.307,41.

Artigo científico
FAVORETTO, S. et al. First detection of Zika virus in neotropical primates in Brazil: a possible new reservoir. bioRxiv. 20 abr. 2016.