NOTAS

Print Friendly

Seda reconstituída é mais forte que a natural

ED. 261 | NOVEMBRO 2017

 

Novo material tem o dobro da rigidez do tecido original e é capaz de gerar estruturas mais complexas, como malhas e redes

As versões artificiais da seda nunca conseguiram apresentar a mesma resistência do filamento natural. Mas engenheiros do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) e da Universidade Tufts, dos Estados Unidos, encontraram uma forma de produzir uma variedade de seda modificada com o dobro da rigidez do tecido original e que pode ser usada para gerar estruturas mais complexas, como malhas e redes (Nature Communications, 9 de novembro). O segredo do processo químico é quebrar apenas parcialmente a estrutura molecular da seda e depois reconstituir o material. Dessa forma, os casulos construídos pelos bichos-da-seda são dissolvidos até o ponto em que sua disposição interna atinge uma forma intermediária composta por microfibrilas, que conferem maior resistência ao filamento.


Matérias relacionadas

PESQUISA BRASIL
Robótica de enxame, cinturão de asteroides, pele artificial e sangradores...
PRÊMIO SACKLER
Físico da Unesp recebe prêmio internacional
ASTRONOMIA
Pesquisadores comentam o flagra da colisão de estrelas de nêutrons