Imprimir PDF

Pergunte aos pesquisadores

Pergunte aos pesquisadores

Qual a diferença entre as sacolas plásticas oxibiodegradáveis e as comuns? (José João Lelis Leal de Souza, via e-mail)

ana paula campos sobre foto de eduardo cesarAs sacolas plásticas “comuns” são feitas de polietileno, matéria-prima derivada do petróleo ou 
da cana-de-açúcar, e demoram mais de 100 anos para se decompor. As sacolas oxibiodegradáveis têm uma composição parecida, com uma única diferença: recebem um aditivo que acelera a sua degradação, fazendo com que a sacola se fragmente em pedaços invisíveis a olho nu quando exposta 
à luz, à umidade e ao ar. 
O problema é que os minúsculos pedaços parecem não ser consumidos por microrganismos como fungos e bactérias – condição necessária para um material ser biodegradável. Além de os compostos petroquímicos continuarem no ambiente, os aditivos em si podem ser tóxicos.

A sacola à base 
de amido de milho, mais cotada para substituir 
a de polietileno que até agora era distribuída em supermercados, também contém em menor proporção derivados 
do petróleo. Já existe um tipo de poliéster 100% biodegradável produzido por microrganismos durante a digestão do açúcar, mas sua fabricação mais cara que a do plástico convencional 
o torna pouco viável para 
ser usado na produção de sacolas de supermercado em grande escala.

Vale ressaltar que um produto biodegradável não é necessariamente fabricado a partir de fontes renováveis. Compostos de origem petroquímica podem ser biodegradáveis e outros provenientes da cana-de-açúcar não.

Marco-Aurelio De Paoli
Instituto de Química da Unicamp

 

Mande sua pergunta 
para o e-mail 
wikirevistapesquisa@fapesp.br, 
pelo facebook 
ou pelo twitter 
@PesquisaFapesp

Republicar