guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Saúde pública

Automedicação e baixa renda

O trabalho “Automedicação em adultos de baixa renda no município de São Paulo”, de Bianca Schmid, Regina Bernal, Nilza Nunes Silva, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, objetivou estimar a proporção de automedicação e identificar fatores associados. Foram utilizados dados de inquérito populacional realizado no município de São Paulo em 2005, cujo plano amostral incluiu dois domínios, favela e não favela, com amostragem por conglomerados em dois estágios, totalizando 3.226 indivíduos elegíveis. Além de características sociodemográficas e econômicas, foram analisados: uso de medicamentos nos 15 dias anteriores à entrevista, tipo de acesso (gratuito, comprado ou outra) aos medicamentos e os tipos de morbidades (crônicas ou agudas) tratadas, em análise de regressão logística múltipla. A proporção de automedicação foi de 27% a 32%. Automedicação esteve fortemente associada à morbidade aguda, ao acesso ao medicamento por compra, à idade menor que 47 anos e medicamentos do grupo terapêutico que atuam no sistema nervoso central. O grupo que atua no sistema nervoso central foi o mais utilizado na automedicação. O acesso gratuito aos medicamentos mostrou-se fator de proteção para a automedicação. A distribuição de medicamentos e o atendimento adequado devem ser considerados para orientação e redução dos riscos que o uso irracional de medicamentos pode gerar à saúde.

Revista de Saúde Pública – vol. 44 – nº 6 – São Paulo – dez. 2010

Link para o artigo

Republicar