Imprimir PDF

Brasil

Patentes

Medicamentos para tratar Alzheimer
Novas composições farmacêuticas resultam de substâncias isoladas de Cassia spectabilis, árvore brasileira conhecida como cássia-do-nordeste ou tula-de-besouro. Derivados semi-sintéticos desses compostos demonstraram ser capazes de inibir a acetilcolinesterase (enzima que destrói a acetilcolina, substância que faz a comunicação entre os neurônios), sendo úteis no tratamento de distúrbios da memória e de doenças neurodegenerativas, como o mal de Alzheimer e o mal de Parkinson.

As composições obtidas mostraram ação similar ao da galantamina, único medicamento seletivo e de baixa toxicidade disponível no mercado para tratar Alzheimer. Os derivados do alcalóide natural spectalina, em experimentos de laboratórios e testes com ratos, apresentaram ações bastante específicas. No sistema nervoso, dois desses derivados impedem a eliminação da acetilcolina e, como conseqüência, melhoram a capacidade de reter informação sem interagir com outras substâncias do sistema nervoso central. A descoberta foi feita no Instituto de Química da Universidade Estadual Paulista (Unesp).

Título: Novos Derivados Piperidínicos, Composições Farmacêuticas Contendo os Mesmos e Processos para Sua Preparação
Inventores: Carlos Alberto Manssour Fraga, Maria Claudia Young, Cláudio Viegas Junior, Eliezer Barreiro, Newton Castro, Mônica Rocha e Vanderlan da Silva Bolzani
Titularidade: Unesp/UFRJ/ FAPESP

Novo material para fios ortodônticos
Processo de fabricação de fios com aço inoxidável austeno-ferrítico para aplicação em ortodontia desenvolvido por pesquisadores da Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo. Eles produziram um aço contendo ferro, cromo, níquel, molibdênio, cobre e nióbio, que apresenta na microestrutura duas fases distintas com diferentes percentuais, conforme o balanceamento químico dos elementos.

Os fios foram obtidos por meio dos processos convencionais de forjamento (forma como é trabalhado o metal) e trefila (fabricação por estiramento) e, segundo testes já realizados, podem ser utilizados na confecção de componentes para correção dos dentes. O material diminuirá os efeitos alérgicos dos pacientes hipersensíveis ao níquel, pois o teor deste elemento nesse aço é inferior ao dos materiais usados na ortodontia. A adição de nióbio mostrou ser uma solução inovadora para fabricar fios. Resultados experimentais mostraram que a liga apresenta resistência mecânica suficiente para suportar tensões envolvidas nos movimentos das articulações.

Título: Processo de Fabricação de Fios com Aços Inoxidáveis Dûplex para Aplicação em Ortodontia
Inventores: João Manuel Domingos de Almeida Rollo, Sérgio Mazzer Rossitti e André Itman Filho
Titularidade: USP/FAPESP

Republicar