NOTÍCIAS

Print Friendly

Veja a Terra em movimento

Esfera instalada na Universidade de São Paulo (USP) permite visualizar fenômenos do planeta

ISIS NÓBILE DINIZ | Edição Online 13:42 18 de julho de 2012

 

É possível agora enxergar o planeta Terra em movimento em São Paulo graças à esfera de 1,80 metro instalada no Museu Oceanográfico, na Cidade Universitária. O globo suspenso por três cabos de aço se transforma, em segundos, na Terra vista do espaço, na qual se veem o avanço das correntes marinhas ou os ciclones em formação. Quatro projetores sincronizados por um computador e dispostos em cada canto de uma sala toda azul – paredes, chão e teto – são os responsáveis pelo efeito (Veja o vídeo do sistema em funcionamento). “Parece um planetário, mas ao contrário”, disse Michel Michaelovitch de Mahiques, diretor do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IO-USP).

O sistema completo, batizado de Science on a Sphere, foi desenvolvido pela Agência Nacional de Oceanos e Atmosfera dos Estados Unidos (Noaa) como uma ferramenta educacional. O Instituto Oceanográfico é a primeira instituição do Hemisfério Sul a receber esse sistema, instalado em abril deste ano, ao custo de US$ 200 mil. A aquisição inclui as bases de dados mundiais da Noaa – mais de 500 arquivos – e uma atualização constante e automática dos dados feita a cada 15 minutos. Isso é possível porque o computador tem uma ligação direta com a agência norte-americana.

Pelo controle remoto adaptado do videogame Wii, professores do Oceanográfico controlam as imagens projetadas e, assim, o mundo surge dentro da sala. Com um clique, a esfera se transforma no planeta Terra visto do espaço, com a projeção das fotos chamadas Blue Marble (imagens do planeta como é visto pelos cosmonautas) captadas pela Nasa. Com outro comando aparece, no canto do globo, uma contagem do tempo como na série de televisão 24 Horas, e as correntes marinhas de todo o planeta entram em movimento. Ao mesmo tempo, a esfera fixa parece girar em torno de si mesma graças à movimentação das imagens projetadas.

A oceanógrafa Ilana Wainer, do IO-USP, é a primeira pesquisadora na fila para usar a esfera e, assim, visualizar seu trabalho. Junto com sua equipe, Ilana analisa os resultados de modelos matemáticos para entender projeções futuras – dos anos de 2020 até 2050 – da circulação oceânica do Atlântico Sul e do Oceano Austral (que circunda a Antártida). “A projeção na esfera nos possibilitará visualizar de forma mais realista como será a circulação oceânica. Isso nos ajudará a interpretar como ela se relaciona com as mudanças climáticas”, conta a pesquisadora. A projeção está marcada para agosto. Estudiosos de migrações de espécies também podem, por exemplo, usar dados de exemplares marcados com chips e monitorar na esfera a rota percorrida.

“O sistema é também uma excelente ferramenta de divulgação científica. Você pode aproximar o público de dados que são frutos de pesquisa”, destaca Mahiques. O pesquisador, geólogo de formação, está entusiasmado: “Agora, posso explicar os movimentos das placas tectônicas em uma animação projetada na esfera, e não apenas na sala de aula. Será mais fácil para os estudantes entenderem a geologia do planeta”. Além do uso didático, o sistema também pode ser utilizado por pesquisadores em estudos que propõem modelos para explicar e prever fenômenos naturais. “O pesquisador pode criar seus modelos e projetar em forma de animação na esfera”, explica Mahiques.

É possível, assim, observar fenômenos climáticos como ciclones se formando no sul do Oceano Atlântico. Outras projeções mostram o tráfego aéreo (a rota dos aviões pontilhada em amarelo), o impacto de tsunamis nas costas dos continentes, a quantidade de calor emitida pelos oceanos e as variações de produtividade biológica no planeta. Além dessas imagens (algumas derivadas de fotos) com dados reais e modelos relacionados ao planeta, a esfera pode projetar imagens de outros corpos celestes como o Sol e suas explosões, a Lua e o céu estrelado visto da Terra, ou seja, a esfera permite observar fenômenos oceanográficos, atmosféricos, astronômicos, geológicos e ecológicos. “O sistema mostra que um evento local pode ter efeitos mundiais. Por exemplo, o tsunami que atingiu a Indonésia, em 2004, gerou ondas que se propagaram até a costa do Brasil”, conta o pesquisador.

O Science on a Sphere pode ser usado por professores de colégios, docentes da USP e pesquisadores mediante agendamento pelos telefones (11) 3091-0822 e 3091-6587. O Museu Oceanográfico está aberto para visitação de terça à sexta das 9h às 17h. [atualizado em 15/03/2016]


Matérias relacionadas

AMBIENTE
Mata Atlântica volta a crescer no Vale do Paraíba
MARIA DE FÁTIMA ANDRADE
Poluição do ar na cidade de São Paulo diminuiu nos últimos 30 anos
PESQUISA BRASIL
Sapo surdo, qualidade do ar, galhas no pampa gaúcho e acesso aberto