Imprimir PDF

Reciclar brincando

Duas vidas da tampinha

Clever Caps na garrafa de água mineral...

eduardo cesarClever Caps na garrafa de água mineral…eduardo cesar

Uma tampinha de garrafa que se encaixa a outra e é compatível com blocos de montar como Lego e Mega Block. Assim são descritas as Clever Caps, novidade do design brasileiro apresentada em abril durante a 14ª Conferência da Associação Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento das Empresas Inovadoras (Anpei), em São Paulo. O produto, desenvolvido pela Clever Pack, foi apresentado em garrafas de água mineral da Petrópolis Paulista, que chegam ao mercado em junho. “A proposta é que as tampas ganhem uma nova vida”, diz Cláudio Patrick Vollers, um dos idealizadores do produto e sócio da Bauen Plásticos, empresa parceira da Clever Pack no projeto. A ideia era fazer com que pelo menos parte da embalagem plástica, no caso a tampa, não tivesse como destino o lixo nem a reciclagem. “Dar uma nova utilidade para as tampinhas faz com que elas não sejam descartadas”, explica Henry Suzuki, consultor na área de propriedade intelectual e coinventor das tampinhas. Ele descobriu que existiam mais de 30 projetos semelhantes depositados em bancos de patentes pelo mundo, mas nenhum era compatível com os blocos de montar.

... e na formação de estruturas para brinquedos ou artesanato

eduardo cesar… e na formação de estruturas para brinquedos ou artesanatoeduardo cesar

Depois de verificar que as patentes do Lego já haviam expirado, Suzuki abriu as portas para que a Clever Pack criasse a primeira tampinha de garrafa compatível com o brinquedo. No total, foram registradas sete patentes no Brasil. Em menos de três anos, as tampinhas venceram importantes premiações internacionais, entre elas o IF Design Awards, na Alemanha. O projeto, que teve um investimento de R$ 2 milhões, também foi um dos 76 selecionados para concorrer em uma votação popular do Museu de Design de Londres. “A indústria brasileira precisa abrir-se mais para o design, que ainda é visto por muitos empresários como algo superficial”, diz Vollers.