ESTRATÉGIAS

Print Friendly

Visão sobre os transgênicos

ED. 247 | SETEMBRO 2016

 

Mudas de cana-de-açúcar geneticamente modificadas em laboratório da USP

Mudas de cana-de-açúcar geneticamente modificadas em laboratório da USP

Um levantamento feito pelo Ibope, encomendado pelo Conselho de Informações sobre Biotecnologia (CIB), mostra que a maioria dos brasileiros (80%) tem noção de que alimentos transgênicos são aqueles que tiveram genes modificados. No entanto, sua segurança não é reconhecida por uma parcela da população. Pouco menos da metade (44%) concordou parcial ou totalmente com a afirmação de que os transgênicos são pouco testados e 33%, que fazem mal à saúde. Foram ouvidos 2 mil entrevistados de todas as classes sociais, sem vínculo com a área de biotecnologia. “As pessoas têm pouco acesso a estudos sobre a segurança dos transgênicos compilados por órgãos como a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança [CTNBio]”, diz Adriana Brondani, diretora executiva do CIB. A pesquisa mostra que apenas 23% acreditam que a ciência possa auxiliar a produção de alimentos, enquanto 84% reconhecem que ela contribui para a cura de doenças e 51%, para o desenvolvimento de medicamentos. Para o médico e bioquímico Walter Colli, ex-presidente da CTNBio, o debate em torno dos transgênicos é complexo e envolve embates políticos e ideológicos.“É preciso que empresas e pesquisadores saibam esclarecer as dúvidas da população com o respaldo da ciência”, recomenda Colli.


Matérias relacionadas

PODCAST: MAISA ARAÚJO
Relógio biológico é o tema premiado com o Nobel de Medicina
PESQUISA BRASIL
Cérebro de dinossauro, relógio biológico e Indústria 4.0
RODRIGO FERREIRA E ENRICO BERNARD
Pesquisas brasileiras foram premiadas pelo Ig Nobel