Imprimir PDF

Paulo Barreto Dourado

Bartolomeu Lourenço, inventor

LUANA GEIGERBartolomeu Lourenço, singular entre os mancebos, foi um milagre entre os homens. Como contam os livros, nasceu em São Vicente, cidade vizinha a Santos, no ano da graça de 1685. Por lá cresceu e, no intercâmbio dos séculos, mudou-se com dois de seus irmãos para a Bahia — terra de absurdos sem precedentes. Cachoeira era uma das maiores cidades do país, e se atualmente parece pequena não é porque encurtou, mas o mundo ao redor que cresceu muito rápido. A vista atual do rio Paraguaçu não é tão diferente da que passou por seus olhos, os de Alexandre e os de Simão.

Filiou-se à Companhia de Jesus, onde conheceu o padre Alexandre de Gusmão, de quem mais tarde adotaria o sobrenome. Com apenas 20 anos, inventou um sistema que bombeava água ladeira acima, livrando o esforço de escravos e animais (estavam livres, logo se deduz. Mas nada disso; apenas gastariam suas energias em atividades outras.) Mente engenhosa, memória fantástica; o que de mais importante lhe aconteceu nesta pequenina cidade, porém, não entrou pros anais da história: um milagre substancial.

Estavam a passear próximos ao rio, os três irmãos, quando avistaram uma frondosa mangueira, recheada de frutos suculentos. As mangas eram novidade no país. Rosadas, macias, lisas, como a divina Vênus. Zombavam deles, com tanta beleza. Simão, em contrapartida, graceja para uma delas, a mais gorda de todas, com os olhos cerrados e a mão esticada.

— Ó, fruto de mel celeste, permiti que Simão, vosso humilde servo, sinta em seus delgados dedos a aurora que haveis de despertar-lhe. — Para sua surpresa, o belo fruto desaba em sua mão. Ele o segura com firmeza, como se o milagre fosse esperado.

— Que coincidência! — exclama Bartolomeu.

— Nada disso. Chama-se fé o que aconteceu — responde Alexandre. Simão concorda, rasgando com os dentes a casca do fruto.

— Certamente, então, os senhores não conhecem os recentes trabalhos do Mr. Isaac Newton — afirma Bartolomeu, com certo pedantismo.

— Aquele alquimista? — graceja Alexandre.

— Um sonhador, talvez. Mas estes trabalhos explicam os movimentos propulsores da natureza, sendo que a gravidade é um deles — explica Bartolomeu.

— A gravidade? — pergunta Alexandre, enquanto Simão, com ferocidade, destrói o fruto olímpico.

— Sim. É a força que rege a queda das mangas e de todas as outras coisas.

— Então duvidas da fé de Simão? — desafia Alexandre.

— A fé move montanhas — completa Simão, terminando de lidar com o fruto.

— Mas certamente não move mangas — responde o inventor, sorrindo.

Alexandre propõe uma comprovação divina e também estica o braço. Menos de um minuto, e também lhe cai uma manga, que ele segura como um gavião agarra sua presa. Bartolomeu se assombra. “Dois eventos repetidos estão além da mera coincidência. Testarei, também, minha fé.” E, à maneira dos irmãos, espera seu fruto nervosamente. “Se o próprio Newton tem suas crenças, por que haveria eu, reles seminarista, de contestar as forças supremas?” Não foi como ele planejou.

Antes que acusem o humor destas celebridades históricas, convoco-lhes, judiciosos leitores, a se lembrarem de que todos os homens eminentes foram, um dia, garotos. Ao ver o irmão em agonia, um dos galhofeiros lhe lambuza a palma com o caroço da manga chupada. Não merece julgamento assim como Bartolomeu não o merece, pela ira visível e estridente que lhe surgiu com a brincadeira. Eram, antes de tudo, fedelhos. Bartolomeu foge pranteando às alturas, menos pela manga que lhe faltava aos dedos, mais pela falta de fé que deixava uma lacuna em seu coração.

• • 

Pensativo, vaga pelos vales que circulam a cidade e encontra uma mangueira selvagem, pagã, aberração da espécie ainda mais frondosa que a primeira. Resolve testar sua fé novamente: reza temendo os céus; reza para que possa estar com seus irmãos, pois eles não tinham culpa de suas moléstias; reza para que lhe caia uma manga, como prova de sua crença e de sua intrínseca força de vontade.

E lá ela estava, lisa, perfumada, porém leve demais, como se estivesse suspensa por algo. Mais uma peça daquela dupla, logo deduz, e abre os olhos. Se num segundo penetrava a copa da mangueira, no outro caía como um fruto maduro, olhando para o chão com absoluto terror. Mas antes que toque a sombra na terra, para sua sorte, consegue refrear-se no ar, paralisado, sem fôlego.

Controlando sua respiração, ele sobe em linha reta, como se estivesse preso a uma roldana. A manga ainda estava na árvore, por isso a leveza. Estava marcada por seus dedos como a ferro quente. Não era obra diabólica, pensa, senão já teria sido fulminado. Havia alguma relação entre o calor e a gravidade. Ele reflete, enquanto a chupa, no ar: “Claro! Há coisas quentes que flutuam, e nada há de mais ardente que as vontades”. Controlando as suas, ele domina a arte de voar, desengonçadamente. Lidava com os ventos como um nadador, enfrentando-os, ou deixando-se levar.

Subia cada vez mais. Viu a mangueira de cima, como um arbusto, e as edificações da cidade, como uma maquete viva, e as pequenas pessoas, iguais a insetos, e as curvas do rio, uma serpente adormecida. “Como as coisas são minúsculas em relação aos poderes do universo.” Percebia os benefícios da nova técnica, que lhe era a ciência em estado puro. As viagens estariam livres dos ladrões e pedregulhos, por terra, e dos piratas e tempestades, por mar. O mundo evoluía. O país ainda haveria de gerar outros pássaros miraculosos. Pergunta-se quanto tempo levaria para alcançar Salvador, a capital da colônia. Tentaria mais tarde, com uma bússola. Mas vem abaixo antes mesmo que a ideia fugisse por completo de sua mente, e desaba como um meteoro.

No outro dia, após as buscas desesperadas dos irmãos de sangue e de culto, é encontrado desacordado, debaixo da mangueira, rodeado por um mar de frutos verdes, rosas, amarelos.

— Esse vai longe — diz Alexandre, ignorando as verdadeiras distâncias.

Bartolomeu, a partir de então, passaria a coletar vontades, na tentativa de realizar voos seguros. Vontades fortes, ardentes, febris, como a que uma vez tivera. Dali iria a Salvador, e depois a Lisboa, onde estavam os homens mais ambiciosos do planeta. Foi a esta sensação de ver o mundo de cima que Bartolomeu dedicou o resto de sua vida. Esta sensação de se estar mais próximo dos céus.

Paulo Raviere Barreto Dourado nasceu em Irecê (BA), em 1986. É mestrando pela UFBA, onde se graduou em língua estrangeira. Publicou em antologias e no blog Confraria de Tolos.

Republicar