guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Aquecimento global

A cruzada de Al Gore

Filme do ex-vice-presidente dos Estados Unidos abusa do marketing político para converter céticos à defesa do meio ambiente

NASAAumento de temperatura duplicou a velocidade de derretimento das geleiras da GroenlândiaNASA

As preocupações com as mudanças climáticas globais e em especial com o aquecimento do planeta pareceram atingir nas últimas semanas, no país, uma ressonância só comparável à que cerca grandes eventos ligados a esses temas,  a considerar os reflexos colhidos na mídia. Seria possível atribuir tanta visibilidade ao encontro internacional sobre mudança climática programado para o final de novembro em Nairóbi, Quênia, quando o Brasil deve propor a criação de um fundo global para compensar os países pobres que diminuírem o desmatamento nas florestas tropicais e, dessa forma, contribuírem para a redução do efeito estufa. Aliás, a proposta tem de saída apoio  do Banco Mundial (Bird), que  em relatório divulgado na segunda-feira, 23 de outubro, apontou o carbono resultante do controle do desmatamento como uma grande “oportunidade inexplorada” pelo planeta para simultaneamente reduzir a pobreza, conservar a biodiversidade e ajudar a  resolver a questão do clima.

Tudo indica, contudo, ainda que alguma influência Nairóbi tenha exercido, que o primeiro responsável pela atenção redobrada dos meios de comunicação à séria questão ambiental foi Albert Gore Jr., ou simplesmente Al Gore, político dos mais reluzentes do Partido Democrata e tido, por muitos anos, como ele mesmo diz com uma ponta de ironia, como o futuro presidente dos Estados Unidos. Em uma ruidosa passagem por São Paulo, em 17 de outubro, Gore trouxe a tiracolo seu livro e filme do mesmo nome, Uma verdade inconveniente, que vem produzindo calorosas discussões mundo afora em  seu esforço de sensibilizar platéias contra o aquecimento global.

Num ambiente sensibilizado pelo ex-vice-presidente norte-americano antes mesmo que ele aqui aportasse, a revista semanal Época, por exemplo, vestiu-se literalmente de verde em sua edição de 16 de outubro e recomendou aos leitores, na capa um tanto estranha com essa cor: “Pense verde: o que você pode fazer para salvar o planeta”. Na reportagem especial sobre o assunto, ofereceu três páginas para um artigo assinado pelo próprio Gore, com o mesmo título do livro e do filme. A Folha de S. Paulo, em entrevista do editor de ciência, Cláudio Angelo, em 18 de outubro, deixou que um certo otimismo de Al Gore transbordasse, relativamente à  convicção de que seu país mudará finalmente a política de clima. E ainda rasgou elogios ao documentário estrelado por ele.

É verdade que sobrou espaço também para o retorno midiático de vozes extremamente alarmistas  no debate sobre o futuro do planeta, como a do inglês James Lovelock, 87 anos. Das páginas amarelas da revista Veja, na edição de 25 de outubro, Lovelock, o controvertido autor de A vingança de Gaia  – e que no passado ofereceu contribuições efetivas para a proibição de uso, em boa parte do mundo, do pesticida DDT e do gás CFC, utilizado em aerossóis e aparelhos eletrodomésticos como os refrigeradores –, voltou a anunciar a total irreversibilidade do aquecimento global em curso e vaticinou, sem sombra de pudor pela falta de evidências científicas a suas afirmações, o provável  desaparecimento de 80% da humanidade até o ano de 2100.

Em seu tour paulistano Al Gore participou de um evento na Câmara Americana de Comércio, foi uma das estrelas na festa de premiação de empresas brasileiras que se distinguiram entre 2005 e 2006 por suas ações de proteção ao meio ambiente e, principalmente, garantiu uma forte promoção a seu livro e ao filme, programado para entrar em cartaz no país em 3 de novembro.

Não resta muita dúvida de que o filme trata com grande competência técnica questões já vistas quase consensualmente como essenciais para um esforço mundial pela preservação da Terra, nos próximos séculos, com as características ambientais próximas das que existem hoje. Elas assegurariam a sobrevivência de parte considerável da atual biodiversidade do planeta, e da espécie humana em particular, em razoáveis condições. O filme também consegue explicar com clareza como e por que se deu e se dá o aquecimento do planeta, e questões espinhosas como o registro climático dos últimos 650 mil anos da Terra, obtido a partir do exame acurado dos testemunhos de gelo da Antártida.

“Tecnicamente o filme é maravilhoso, com seus efeitos à Steven Spielberg. Explica muito bem o efeito estufa e as conseqüências globais do aquecimento. Toda a parte histórica é cientificamente muito boa”, comentou o secretário de Meio Ambiente do estado de São Paulo, José Goldemberg, que na quarta-feira, 18 de outubro, assistia à pré-estréia. “O problema é que, ao tratar do presente e do futuro, mistura fatos com hipóteses, e aí ganha um tom alarmista, cataclísmico”, acrescenta.

O problema também é a desagradável estridência do marketing que atravessa o filme inteiro. E esse tom só parece adequado, quase perfeito, se o filme for tomado como peça central para uma nova campanha de Al Gore à Presidência dos Estados Unidos, intenção que ele até aqui nega enfaticamente. Fora disso, toda a linguagem padece de excesso propagandístico num documentário elaborado, em princípio, para sensibilizar milhões de pessoas, no mundo todo, ao combate pela proteção do meio ambiente. O pesado tom doutrinário, a despeito de alguns bons momentos de ironia, a explanação melodramática das razões político-morais que conduziram o político Al Gore a essa cruzada em favor do meio ambiente, dificilmente sensibilizam ou criam empatia em relação às dores do planeta em quem já não está previamente preocupado com os problemas do aquecimento global. É claro que as coisas são diferentes se a intenção do filme, no qual muitas vezes não se sabe se o personagem central é Al Gore ou as mudanças climáticas globais, é atingir o norte-americano médio por razões político-eleitorais.

De qualquer sorte, no curso do mês de novembro se poderá ter uma idéia mais clara de como o filme repercutirá entre o público brasileiro.

Veja abaixo o trailer do filme, com legendas em português:

Republicar