Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

Política Científica

Avança Brasil

O artigo “A pesquisa médica e biomédica no Brasil. Comparações com o desempenho científico brasileiro e mundial” evidencia elevada correlação entre o Produto Interno Bruto (PIB) e o desempenho científico e tecnológico de países desenvolvidos como Estados Unidos, Japão, Alemanha e Inglaterra, e mostra como isso se realiza em países de médio desenvolvimento como México, Índia e Brasil. O estudo é de autoria de Jorge Guimarães, presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). “A comparação com os países de mais elevado desempenho possibilita melhor situar o desafio a ser vencido pela pesquisa brasileira na área de saúde, para colocá-la no patamar dos índices de citação que melhor qualifica a pesquisa feita na área”, justifica Guimarães. O estudo revela que no Brasil o complexo educacional universitário e o sistema de C&T foram estruturados muito tardiamente e estão ainda em processo de consolidação. “Nossos processos de ensino na educação fundamental e mesmo na graduação universitária, predominantemente informativos que privilegiam a memorização em detrimento do processo formativo, vêm se mostrando bastante deficitários e perigosamente defasados da demanda por um ensino qualificado”, disse. Porém, segundo Guimarães, nas últimas quatro décadas houve considerável avanço no segmento de ciência e tecnologia no Brasil, um desempenho claramente mostrado pelos indicadores internacionais. Os dados apresentados demonstram que a pesquisa médica e biomédica no Brasil, por exemplo, vem alcançando sucessivo progresso especialmente no componente quantitativo, com um crescimento extraordinário nas publicações científicas. O estudo alerta, todavia, que tanto o desempenho obtido como a capacidade instalada de pesquisa se situam ainda muito aquém dos índices necessários para o enfrentamento dos gigantescos desafios sociais e econômicos que o país apresenta nesta e em outras áreas.

Ciência e Saúde Coletiva – vol. 9 – nº 2 – Rio de Janeiro – abr./jun. 2004

Republicar