Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

Meio Ambiente

Bactérias na Guanabara

Baía onde se realizarão provas olímpicas tem alto grau de contaminação

LÉO RAMOSBaía onde se realizarão provas olímpicas tem alto grau de contaminaçãoLÉO RAMOS

Vastas quantidades de bactérias do gênero Vibrio, causadoras da cólera, foram identificadas em 2011 na baía da Guanabara, no Rio de Janeiro, e consideradas um dos motivos da mortalidade de peixes ali verificada três anos depois, para a qual devem ter contribuído as toxinas liberadas por algas em proliferação nas águas poluídas. Segunda maior da costa do Brasil, com uma área de 384 quilômetros quadrados e cercada por uma área urbana com 16 milhões de habitantes, a baía da Guanabara é um caldeirão de microrganismos causadores de doenças provenientes de esgoto doméstico, resíduos hospitalares e dejetos industriais não tratados de 16 municípios, de acordo com levantamento de pesquisadores de universidades e centros de pesquisa do Rio de Janeiro, de Brasília e da Holanda (Frontiers in Microbiology, novembro de 2015). Em microrganismos das águas da baía também foram encontrados genes de resistência a antibióticos. Os autores do estudo observaram que a degradação da baía começou na década de 1930 com o processo de industrialização e alertam que o plano de despoluição, fortalecido pela realização dos Jogos Olímpicos neste ano, poderia restaurar a qualidade da água para níveis próximos a 80% de pureza, desde que todo o esgoto residencial e industrial hoje despejado ali seja tratado. Hoje, a qualidade da água só não é pior porque correntes marinhas entram na baía e diluem a poluição. A entrada estreita da baía, as marés e o regime de ventos impedem uma ação mais intensa da água do mar. Como resultado, a renovação de metade do volume da água da baía demora em média 11 dias.

Republicar