guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Tecnociência

Carros fazem chover na cidade de São Paulo

Estudos preliminares, realizados por geógrafos da Universidade de São Paulo (USP), indicam que na cidade de São Paulo a energia gerada pelas atividades humanas – sobretudo a resultante da queima de combustíveis nos automóveis – equivale a, no mínimo, um décimo da radiação solar. Em conseqüência, o que pode ser chamado de calor humano, aqui, sem qualquer metáfora, interfere, evidentemente, na temperatura da cidade e, inesperadamente, no regime de chuva: de modo geral, chove menos nos finais de semana e mais durante a semana. O acompanhamento das condições climáticas, hora a hora, mostra que não se trata de coincidência, mas de um provável reflexo do movimento dos carros (6 milhões de automóveis de passeio e 600 mil caminhões e ônibus) e da operação das indústrias (30 mil) da região metropolitana.

O fluxo de calor é um dos temas tratados de Os Climas na Cidade de São Paulo – Teoria e Prática, organizado por José Roberto Tarifa e Tarik Rezende de Azevedo, com os estudos mais relevantes realizados ao longo de 30 anos no Laboratório de Climatologia e Biogeografia do Departamento de Geografia da USP. Nesse livro se vê que, do ponto de vista climático, São Paulo é uma cidade peculiar também por apresentar contrastes tão marcantes. No centro, há ilhas de frio – áreas que não recebem luz solar em praticamente nenhum momento do dia, em conseqüência do adensamento de prédios e de viadutos, como o Elevado Costa e Silva. Já na favela Heliópolis, casas com telhado de amianto, ruas asfaltadas sem árvores e lotes pequenos mantêm a temperatura acima de 30ºC o ano todo. O conforto térmico e ambiental pode ser encontrado no Parque do Ibirapuera, nos chamados bairros verdes (Pacaembu, Alto da Lapa e Jardins) e, claro, nos shopping centers.

Republicar