Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

menos energia

Ciência com menos energia

WikicommonsTurbinas eólicas no Japão: eletricidade racionadaWikicommons

O racionamento de energia no Japão, imposto após 
a tragédia da usina nuclear 
de Fukushima, mudou 
a rotina de cientistas 
do país. Pesquisadores tentam se acostumar aos inconvenientes de um ambiente de baixo consumo de eletricidade. O químico Eiichi Nakamura, professor da Universidade de Tóquio, disse à revista Nature (17 
de maio) que a restrição ao uso de equipamentos fez a pesquisa perder velocidade. “Podemos poupar facilmente 10% de energia, mas os cortes atuais na 
casa dos 30% vão prejudicar a produtividade no
longo prazo”, afirmou. Para Haruhiko Bito, professor 
de neuroquímica da mesma universidade, a economia 
de energia é tolerável: “Restringir o uso de alguns equipamentos para horários fora de pico é realista e viável”. Outros se queixam de que a estratégia irá desencorajar os cientistas mais jovens, forçando-os 
a trabalhar à noite.  
“É uma boa ocasião para percebermos que os nossos recursos não são infinitos”, disse Toshio Yamagata, especialista em modelagem do oceano, que teve que lidar com um corte de 30% no tempo de operação 
de um supercomputador. Não se trata, já se sabe, de um desconforto passageiro. O primeiro-ministro, 
Naoto Kan, anunciou que está arquivada a meta 
de construir 14 reatores nucleares nos próximos 
20 anos. Com a política energética do país em frangalhos, os defensores das energias renováveis e da eficiência mostraram seus argumentos. O Instituto para Políticas Energéticas Sustentáveis, de Tóquio, propôs uma mudança ambiciosa na combinação de matrizes energéticas 
do país. Em nível nacional, o instituto diz que a parcela de energias renováveis do mix de energia deve subir de cerca de 8% a 30% até 2020 e para 100% em 2050. Mas a estratégia, para compensar 
a suspensão das usinas nucleares, exigirá que a demanda energética atual seja reduzida pela metade.

Republicar