guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republish

Biofísica

Como as ondas do mar

Pesquisadores desvendam na superfície de células movimentos para combater parasitas

Em apenas dois minutos, uma célula do sistema imunológico imobiliza, envolve, engole e destrói uma partícula estranha ao organismo, como uma bactéria ou um parasita. O fenômeno é conhecido como fagocitose – do latim fagos (comer) ecitosis (célula) – e decorre de um tipo específico de flutuações na superfície da célula classificadas como grandes por formarem ondas semelhantes às do mar, com uma altura de alguns micrômetros (um micrômetro é a milionésima parte do metro), como provou uma série de experimentos recentes feitos por pesquisadores do Laboratório de Física Estatística e Biofísica da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

O resultado altera um dos modelos teóricos proposto há quase 30 anos por pesquisadores norte-americanos para explicar a fagocitose, o modelo zíper, segundo o qual pequenas vibrações normais – também chamadas aleatórias, que permeiam toda a superfície celular e assemelham à de uma piscina em dia de pouco vento – provocariam o processo, usado pelas células no combate a agentes estranhos ao organismo, como bactérias e fungos. No futuro, a descoberta pode levar ao desenvolvimento de drogas mais eficientes no combate a infecções.

O caminho até essa conclusão foi longo. Primeiro, os pesquisadores mineiros desenvolveram uma técnica inovadora, descrita em um artigo científico em via de publicação, que permitiu observar e filmar detalhes dos dois tipos de movimento da superfície celular ao microscópio óptico. Chamada microscopia de desfocalização, altera o foco da imagem por distâncias inferiores a um micrômetro e assim permite ver e medir a curvatura da superfície celular, parâmetro importante para a avaliação da quantidade de energia gasta pelas células de defesa, como os macrófagos, para engolfar o patógeno.

Pinças de luz
O método só funcionou quando associado a outro, criado nos anos 70 pelo físico norte-americano Arthur Ashkin, dos Laboratórios Bell, nos Estados Unidos. Conhecida como pinças ópticas – feixes concentrados de laser capazes de prender e manter suspensos átomos, moléculas e células -, essa técnica, antes aplicada à física, foi adaptada a estudos em biologia nos últimos anos. Com auxílio dessas pinças de luz, o físico Oscar Nassif de Mesquita, da UFMG, e seu aluno de doutorado Ubirajara Agero conseguiram isolar um único macrófago de camundongo, sem o destruir, e alimentá-lo com partículas de zymosan, levedura usada em experimentos de fagocitose em laboratório.

Na análise desse fenômeno, apareceram tanto as ondas grandes quanto as pequenas – embora apenas as grandes participassem ativamente da emissão de prolongamentos para englobar a partícula. “Nosso objetivo era entender como as propriedades mecânicas da superfície da célula afetam o processo de fagocitose”, explica Mesquita, coordenador do trabalho, desenvolvido em colaboração com Catherine Ropert, do Centro de Pesquisas René Rachou, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), em Belo Horizonte, e Ricardo Gazzinelli, que trabalha na Fiocruz e no Departamento de Imunologia e Bioquímica da UFMG. Ao medir o tamanho das ondas, os pesquisadores conseguiram calcular a energia gasta pelas células para gerar os movimentos. Enquanto as pequenas flutuações, que ocorrem em toda a superfície da célula, praticamente não gastam energia (a temperatura do corpo de 37° C é suficiente para produzi-las), as ondulações grandes consomem 100 vezes mais energia.

Perspectivas
Faltava, no entanto, a comprovação do novo mecanismo da fagocitose. Os pesquisadores acrescentaram ao meio de cultura dos macrófagos uma droga que altera a consistência do esqueleto das células e inibe a formação das grandes ondulações, a citocalasina D. Ao medir novamente a duração do processo, verificaram que o tempo gasto para aniquilar o invasor aumentou 60 vezes, de dois minutos para duas horas, confirmando a importância das grandes ondas para a fagocitose. “Esses resultados abrem caminho para o estudo de medicamentos que atuem na estrutura de sustentação das células e na produção de energia para aumentar a eficácia da fagocitose”, comenta Mesquita, que há três anos enveredou pela análise de sistemas biológicos e neste ano publicou dois artigos sobre o uso de pinças ópticas – um na revista Physical Review E e outro na Applied Physics Letters, ambas da Sociedade Americana de Física.

As pinças ópticas também vêm auxiliando a equipe mineira a estudar fenômenos biológicos na escala molecular, mais especificamente a elasticidade da molécula de DNA. Essa propriedade física garante ao material genético a capacidade de dobrar-se sobre si mesmo para caber no núcleo da célula, que tem uns poucos micrômetros – o DNA contido em uma única célula chega a quase 2 metros de comprimento se esticado.

Interação
Após isolar um único segmento de DNA com o auxílio das pinças, Mesquita e seu aluno Nathan Viana mediram a flexibilidade da molécula com um método criado por eles. Chamado espalhamento dinâmico de luz e descrito no doutoramento de Viana, concluído em maio, o método avalia a intensidade de um laser refletido por esferas de poliestireno ligadas ao DNA.

O experimento permitiu a validação da técnica que, ainda neste ano, deve ser empregada para analisar a interação do material genético com proteínas e com medicamentos, substâncias que alteram a elasticidade da molécula. Desse modo, os pesquisadores esperam compreender melhor o processo de replicação do DNA. Recentemente, a equipe começou a avaliar os danos causados em uma única molécula de DNA pela radiação ultravioleta, como a que causa as queimaduras solares. “Pretendemos ver a evolução ao longo do tempo dos danos provocados em um única molécula”, explica Mesquita. “Ainda não sabemos todas as possíveis implicações disso, mas creio que será importante para avaliar o risco de câncer de pele, causado pelo mesmo tipo de dano”.

Outra linha de pesquisa na qual a equipe do pesquisador investe é o estudo do transporte de água nas células renais, mais especificamente o processo de perda de água da célula para o meio externo, mais concentrado, por exemplo, em sal, a substância empregada no experimento. Em decorrência desse processo, chamado osmose, a célula começa a murchar e imediatamente ativa seu mecanismo de regulação de volume, de modo a voltar ao estado inicial – é a osmorregulação, outro mecanismo essencial.

Num trabalho em parceria com Robson dos Santos, do grupo de hipertensão do Departamento de Fisiologia da UFMG, Mesquita e sua aluna de doutorado Aline Duarte Lúcio mediram, com precisão maior que outros métodos, o volume de água perdido no processo, ao observar uma célula renal de cachorro isolada e suspensa no meio de cultura com o auxílio de pinças ópticas. Também calculou a velocidade da osmose, chamada pelos especialistas de permeabilidade, que se mostrou bem menor do que as estimativas anteriores: apenas 5 micrômetros por segundo – os trabalhos que haviam avaliado a osmose por observação indireta, em agrupamentos de células, estimavam essa velocidade entre 0,5 e 50 micrômetros por segundo. “Diminui-se muito a possibilidade de erro com a eliminação da interferência de outras células e do contato com a lâmina de vidro do microscópio, que deforma a célula e impede a medição direta”, comenta Mesquita.

Permeabilidade
Os pesquisadores acompanharam em tempo real a osmose e quantificaram, em função desse tempo, a permeabilidade da membrana da célula em relação à água, que se deve à criação de canais na membrana celular pela ação de proteínas especializadas, as aquaporinas. Nas experiências foram usadas quantidades variadas de NaCl (cloreto de sódio, o sal de cozinha) no meio externo para forçar a saída da água da célula, que murcha rapidamente, em alguns segundos, mas logo em seguida aciona o seu mecanismo de regulação de volume, o processo de osmorregulação, para retornar praticamente ao seu volume original, em cerca de dez minutos.

Essa fase é mais demorada porque o soluto – os compostos dissolvidos no interior da célula, entre os quais estão minerais como o potássio – tem de migrar para regiões específicas da célula, osmoticamente ativas, de modo a inverter o fluxo de água. A adição do hormônio vasopressina, produzido naturalmente no corpo e relacionado à hipertensão, aumenta a permeabilidade porque causa a migração de novas aquaporinas para a superfície da célula. O passo seguinte, comenta Mesquita, é realizar experimentos em células renais de dois grupos de animais, hipertensos e normais. Podem surgir daí mais detalhes sobre alterações nos mecanismos de transporte de água potencialmente úteis na busca de novas drogas para tratar pressão alta e problemas nos rins.

Republish