guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Brasil

De Campinas para a França

Componentes para amplificadores de radiofreqüência produzidos em Campinas pelo Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS) já começaram a ser instalados no Synchrotron Soleil, o novo laboratório desse tipo de radiação que está sendo construído na cidade de Saint-Aubin, a 20 quilômetros de Paris, na França. “O Soleil vai entrar em funcionamento no primeiro trimestre de 2006 e será o primeiro do mundo a utilizar amplificadores de alta potência com transistores no lugar de válvulas”, diz Cláudio Pardine, coordenador do laboratório de radiofreqüência do LNLS. Os amplificadores têm a função de fornecer energia ao feixe de elétrons usado na composição do espectro de luz utilizado por pesquisadores em experimentos que buscam um melhor entendimento das características biológicas, físicas e químicas de moléculas e de átomos. “Foram entregues cinco combinadores de potência de 200 kilowatts (kW)”, diz Pardine. O domínio dessa tecnologia, que começou com estudos teóricos dos engenheiros do Soleil, em 1998, permite que a equipe técnica do LNLS futuramente construa os seus próprios amplificadores para substituir as atuais válvulas do equipamento em Campinas. A equipe do laboratório Soleil optou por desenvolver e empregar a tecnologia de transistores porque ela proporciona vantagens em matéria de economia de energia e em durabilidade, se comparados aos amplificadores valvulados utilizados atualmente em todos os outros laboratórios síncrotrons do mundo. O Synchrotron Soleil é mantido pelo Centro Nacional de Pesquisa Científica, CNRS na sigla em francês, e pela Comissão de Energia Atômica (CEA) francesa. Ele vai se juntar a outros 42 síncrotrons existentes no mundo e deixar de ser um dos 30 em construção ou em planejamento.

Republicar