Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

tecnologia digital

Desafios profissionais

Da academia para a empresa, Manfio transitou por várias áreas

sammy w. oliveiraGilson Manfio, de 47 anos, está desde 2004 na Natura, onde começou como pesquisador na área de microbiologia e atualmente responde pela gestão de estratégia e comunicação na equipe de governança de tecnologia digital, evolução da área tradicionalmente conhecida como tecnologia de informação. A desenvoltura com que encara os novos desafios é um reflexo da sua formação acadêmica somada à sua experiência profissional. Após a graduação em biologia e o mestrado em genética, ambos na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Manfio foi para a Inglaterra, onde fez doutorado na Universidade de Newcastle. “Na volta, trabalhei  na Fundação André Tosello e me tornei orientador de doutorado na Genética da Unicamp.” Depois trabalhou como pesquisador no Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas, ligado à universidade. Nesse período acadêmico, participou de 21 projetos de pesquisa, dos quais coordenou 13. “Durante um trabalho de consultoria que fiz para a Natura, conheci uma colega de microbiologia que me convidou  a fazer parte do grupo de pesquisa na empresa”, conta.

Entre 2005 e 2006, esteve à frente do grupo que trabalhou no desenvolvimento de novas matérias-primas a partir de extratos vegetais para aplicação cosmética – e acompanhou os primeiros projetos apoiados pela FAPESP na modalidade Programa de Apoio à Pesquisa em Parceria para Inovação Tecnológica (Pite), em colaboração com a empresa. Uma nova mudança profissional se desenhava.

“A Natura começou a trabalhar com inovação aberta e, como eu tinha conhecimento do funcionamento do ambiente de pesquisa acadêmico no Brasil e uma rede de interação muito grande na academia, fui convidado”, relata. Manfio ressalta que o segredo de uma boa parceria é o alinhamento de expectativas e o atendimento das necessidades de ambos os lados. “A empresa entra com recursos para fomentar a pesquisa, que é geralmente aplicada, mas a universidade também aporta recursos e o seu conhecimento”, diz.

A experiência de trabalhar com colaboração externa o levou a ampliar o seu foco de ação. “Comecei a trabalhar com teorias de pensamento sistêmico dentro da empresa, envolvendo o grupo de RH e o pessoal da fábrica, e depois com teoria de redes.” E novamente um novo desafio surgiu no horizonte: o convite para desenhar a estratégia e a comunicação na área de tecnologia digital. Ou seja, Manfio está estudando a inserção da empresa dentro de um novo modelo, em que os negócios com as suas consultoras e clientes são tratados pela ótica da interação e da experiência digital via dispositivos móveis, aplicativos, internet, facebook, twitter e SMS, por exemplo.

Republicar