Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

Obituário

Duas perdas em janeiro

Dois nomes destacados da comunidade acadêmica paulista morreram em janeiro: Maurício Knobel, professor emérito da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), aos 85 anos, e Eurípedes Malavolta, ex-diretor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da Universidade de São Paulo (USP). Malavolta morreu no dia 19 de janeiro, aos 81 anos. Diretor da Esalq entre 1964 e 1970, era especialista em nutrição mineral de plantas e foi responsável pela implantação dos primeiros cursos de pós-graduação da escola. Nos últimos anos, atuou como pesquisador do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (Cena) – que ajudou a fundar. Foi o primeiro pró-reitor da USP, em 1970, e primeiro diretor do Instituto de Física e Química de São Carlos, entre 1972 e 1975. Maurício Knobel, um dos maiores nomes da psiquiatria na América Latina, morreu no dia 22 de janeiro, aos 85 anos. Nascido e formado na Argentina, lecionou na Universidade Nacional de Buenos Aires até abril de 1976, quando foi demitido após o golpe militar no país. A convite do então reitor da Unicamp Zeferino Vaz, Knobel passou a chefiar o Departamento de Psiquiatria e Psicologia Médica da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp. Naturalizou-se brasileiro em 1985. Knobel foi também professor de Pós-Graduação em Psicologia Clínica da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, assessor da FAPESP e assessor do Comitê de Psico-Oncologia da Associação Médica Argentina.

Republicar