guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Tecnociência

Eletricidade a partir do açaí

O açaí e a azeitona preta são as novas matérias-primas utilizadas para produzir eletricidade. Pesquisas feitas no Parque de Desenvolvimento Tecnológico (Padetec) da Universidade Federal do Ceará (UFC) mostraram a viabilidade de se empregar corantes dessas plantas para a fabricação de células fotovoltaicas, usadas para geração de energia elétrica a partir da luz solar. Normalmente, essas células são feitas de silício, material semicondutor que absorve a luz e separa as cargas elétricas.

Mas sua fabricação é muito cara, e esse é um dos motivos que inviabilizam o uso de energia solar em larga escala. As células solares com corantes fotoexcitáveis (CSCFs), desenvolvidas no Padetec, são bem mais baratas e substituem as de silício. Elas são formadas por uma placa de vidro condutora onde foi depositada uma fina camada de óxido de titânio (TiO2) impregnado com corante orgânico, um eletrólito constituído de iodo/triiodo e placa de vidro condutora. O princípio de funcionamento das CSCFs se baseia na excitação do corante pela incidência de fótons de luz.

O corante excitado fica energeticamente apto a transferir um elétron para a superfície condutora formada pelo óxido de titânio, o que dará origem à corrente elétrica. “Além do fator econômico, as CSCFs utilizam em sua fabricação materiais simples e processos não poluentes”, diz o superintendente do Padetec e coordenador da pesquisa, Afrânio Aragão Craveiro. A expectativa do pesquisador é que essas células estejam no mercado em um ano.

Republicar