guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Biologia molecular

Enciclopédia de genômica

Obra de 1.200 páginas, escrita por uma centena de cientistas do Brasil, é referência sobre o tema

Escrito ao longo de dois anos por um conjunto de 113 cientistas, quase todos brasileiros, um catatau de 1.200 páginas chega às livrarias para se tornar uma obra de referência técnica quando o assunto for o vasto mundo da genômica, ramo da genética molecular que, como um polvo de incontáveis tentáculos, estende seus inúmeros braços por múltiplas áreas da biologia. Simplesmente intitulado Genômica, o livro, que custa cerca de R$ 200,00 e foi publicado pela editora Atheneu, faz uma revisão de tudo o que, desde os anos 1950 até hoje, diz respeito ao tema. É o que se costuma chamar uma obra de peso – e isso não tem nada a ver com seus 3,7 quilos.

“É um trabalho enciclopédico, inédito, que integra a genômica a questões básicas de natureza médica, agrária e ambiental”, afirma o veterano geneticista Francisco Mauro Salzano, professor emérito da Universidade do Rio Grande do Sul (UFRGS), autor do prefácio do livro e um de seus editores. “Em português, é o livro mais completo sobre o tema.” Como salienta Salzano, a obra não se limita a temas relacionados ao genoma do homem e à utilização desse conhecimento na pesquisa em saúde ou na clínica médica. Técnicas e conceitos da biologia molecular empregadas para o estudo de plantas e animais também encontram farto espaço no livro.

Qualquer metodologia ou tema que tenha surgido nas últimas décadas é esmiuçado em Genômica, um trabalho feito por pesquisadores de dez escolas médicas e 12 institutos de pesquisa de todo o país. “Médicos, biólogos, farmacêuticos, nutricionistas, engenheiros agrônomos, geneticistas clínicos, todos foram agregados à obra em torno de um eixo comum – genômica – como nova fronteira do conhecimento humano”, afirma Luís Mir, pesquisador da área de saúde e organizador do livro. “Foi um esforço coletivo.

Sabíamos que estávamos quebrando um paradigma, como autores de um novo tipo de livro científico, como massa crítica multiprofissional e multidisciplinar.” Nada de relevante escapou aos olhos dos editores. Clonagem, biotecnologia, transgênicos, células-tronco, bioinformática, proteômica, terapia celular, esses e muitos outros tópicos são abordados em um dos mais de 50 capítulos do livro. Quer saber o que são vacinas gênicas? Leia o capítulo 23, que começa na página 463.

Interessado em farmacogenômica? Capítulo 32, página 663. A história dos projetos Genoma no Brasil é contada por José Fernando Perez, diretor científico da FAPESP, e dois cientistas do Instituto Ludwig de Pesquisa sobre o Câncer, Andrew Simpson e Juçara Parra no capítulo 54. No final de Genômica há ainda um glossário que explica de forma sucinta o significado de conceitos comumente utilizados por profissionais da área de biologia molecular.

Pelo seu caráter de obra técnica de consulta, Genômica não é um produto editorial destinado ao público em geral. “O livro é dirigido para estudantes da área de ciências biológicas e medicina”, opina Mayana Zatz, coordenadora do Centro de Estudos do Genoma Humano da Universidade de São Paulo (USP). Sozinha, Mayana escreveu um capítulo do livro dedicado à genômica das doenças neuromusculares e neurodegenerativas.

Em conjunto com Luís Mir, redigiu ainda dois textos sobre ética entre os geneticistas, na medicina, na ciência e na política científica. Para a pesquisadora, o fato de a obra ter sido feita por cientistas nacionais deve ser ressaltado. “Isso dá uma idéia da abrangência das pesquisas hoje em curso no Brasil”, afirma Mayana. Devido à sua contribuição para o desenvolvimento de alguns ramos da genômica, como os estudos sobre a biologia molecular de fitopatógenos e sobre genética e câncer, o país passou a ser respeitado internacionalmente nessa competitiva área do conhecimento humano.

Republicar