Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

Carta da editora | 134

Encontros e descobertas estimulantes

Desta vez vamos postergar por algumas linhas os usuais comentários sobre os destaques da edição por duas boas razões: um convite especial aos leitores e mais um prêmio conquistado pela revista. Primeiro o convite: desde março Pesquisa FAPESP, em parceria com a Livraria Cultura, realiza mensalmente os Encontros com a Pesquisa. Trata-se de uma conferência feita pela personagem mais importante de uma reportagem de peso publicada na revista, em geral a da capa do mês, seguida de debate com o público. O evento, por ora na Cultura do Shopping Villa-Lobos, é aberto, nada formal e tem a intenção de facilitar o diálogo direto, bem próximo, entre cientistas que têm dado contribuição importante para a construção do conhecimento, a inovação tecnológica ou a criação de importantes instituições científicas no país e pessoas interessadas em tudo isso, pelas motivações mais diversas. O primeiro encontro, com o respeitado neurocientista Miguel Nicolelis, aconteceu em 21 de março, e só não foi anunciado em nossa edição passada porque a revista já estava na gráfica quando fechamos a programação. Foi uma experiência estimulante: pouco mais de duas horas entre uma brilhante apresentação e o diálogo intenso, vivo, a partir de questões propostas pelo público presente. O segundo encontro – e aqui vai finalmente o convite aos leitores que se encontrem em São Paulo na data – acontecerá em 25 de abril, às 19 horas, na mesma Cultura do Villa-Lobos. O conferencista será o médico e geneticista mineiro Sérgio Danilo Pena, que certamente tem muito de importante e novo a contar para encantar a platéia.

Agora o prêmio que toda a equipe comemora: o jornalista Marcos de Oliveira, nosso editor de tecnologia, ganhou o segundo lugar do II Prêmio SAE de Jornalismo, iniciativa da Sociedade de Engenheiros da Mobilidade. A reportagem que mereceu essa distinção, entre 99 inscritas do país inteiro, foi “Reforma energética”, que mostra o hidrogênio como um importante combustível alternativo para gerar energia elétrica e movimentar veículos. O texto foi publicado na edição 126, de agosto de 2006.

Quanto aos destaques, comecemos pela reportagem de capa, que se debruça sobre valiosa pesquisa no campo da genética de populações conduzida por Sérgio Danilo Pena e Maria Cátira Bortolini, cujos resultados demonstram que o trecho da África Ocidental que vai do Senegal à Nigéria forneceu, durante pouco mais de três séculos, muito mais escravos ao Brasil do que se imaginava. O que se vê no texto de Ricardo Zorzetto, editor interino de ciência, é a genética cruzando o caminho da história para ampliar nossa compreensão de que país e que povo efetivamente somos. Articula-se intimamente com essa reportagem a bela entrevista pingue-pongue desta edição com a antropóloga Lilia Schwarcz, feita pelo editor de humanidades, Carlos Haag, e na qual a pesquisadora trata entre outros temas da polêmica dos conceitos de raça e racismo no Brasil.

Na seção de tecnologia quero destacar a reportagem do já citado editor Marcos de Oliveira, em que ele detalha que passos o país deve cumprir para transformar o biodiesel, de fato, num importante biocombustível nacional, depois da construção, nos últimos quatro anos, de quase 30 usinas e do desenvolvimento de novas tecnologias de produção. No campo da política, de olhos postos no tema fundamental da pesquisa para inovação, vale se deter na reportagem da editora Claudia Izique, sobre um novo e importante instituto virtual que acaba de ser criado para investigações fundamentais em tecnologia da informação (TI) e tecnologia da comunicação (TC), fruto de parceria entre a FAPESP e a Microsoft. Para finalizar, em humanidades merece leitura calma e atenta a reportagem sobre as relações diplomáticas entre o Vaticano e o Brasil, também da lavra de Carlos Haag, nesse momento em que se aproxima a primeira visita de Bento XVI ao país.

Republicar