guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republish

candidíase

Enzima facilita infecção fúngica

Imagens de microscopia do fungo Candida  albicans: enzima enolase (em vermelho) facilita adesão ao intestino

silva, r.c. et al. / frontiers in cellular and infection microbiology Imagens de microscopia do fungo Candida albicans: enzima enolase (em vermelho) facilita adesão ao intestinosilva, r.c. et al. / frontiers in cellular and infection microbiology

Um trabalho de pesquisadores brasileiros identificou um importante mecanismo que permite ao fungo Candida albicans, presente em 80% da população humana sem causar grandes problemas de saúde, aderir ao intestino. É a partir desse órgão que o microrganismo entra na corrente sanguínea, onde se torna um agente agressivo e causa a candidemia, um tipo de infecção com mortalidade de 50% mesmo em pacientes tratados com drogas antifúngicas. Uma equipe da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), do Instituto Butantan e da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) descobriu que o C. albicans expele de suas células uma enzima, a enolase, que está presente nos biofilmes produzidos pelo fungo e é essencial para sua adesão ao epitélio intestinal (Frontiers in Cellular and Infection Microbiology, 2 de junho). A enolase é fundamental para a produção de energia do fungo. “A descoberta abre portas para o tratamento da candidemia”, diz o biólogo Marcelo Briones, da Unifesp, principal autor do trabalho. “Podemos usar a enolase como alvo para vários compostos que podem inibir a adesão do fungo e bloquear a sua infectividade.”

Republish