guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Farmacologia

Faxina Arterial

Composto desenvolvido no Rio Grande do Sul dissolve placas que obstruem vasos sangüíneos

EDUARDO CESARÀs vezes nossas artérias lembram canos velhos de metal, que com o tempo enferrujam e acumulam detritos até entupirem por completo. É assim ao menos com a mais freqüente das doenças que danificam os vasos sangüíneos, a aterosclerose, associada a 17 milhões de mortes no mundo por ano. Marcada pela formação de placas de gordura que impedem a passagem do sangue, a aterosclerose em geral é fatal quando afeta as artérias do coração ou do cérebro, órgãos que resistem apenas poucos minutos sem oxigênio. Parece paradoxal, mas pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) descobriram que um tipo de hormônio produzido pelo organismo com estrutura similar à das gorduras, as prostaglandinas, pode auxiliar no tratamento e até mesmo na prevenção desse problema.

Utilizando prostaglandinas, a equipe do bioquímico Paulo Ivo Homem de Bittencourt Júnior produziu um composto que, em experimentos com camundongos, mostrou-se capaz de dissolver as placas de gordura que se acumulam nas artérias – os ateromas, como dizem os médicos. Essa formulação, que recebeu o nome provisório de LipoCardium, também impediu a formação de placas, conseqüência do consumo de alimentos gordurosos, do tabagismo e do sedentarismo.

Caso se demonstre a segurança e a eficácia desse composto nos futuros testes com coelhos, cães e seres humanos, é possível que em até dez anos chegue às farmácias um medicamento novo para evitar a formação das placas que impedem a circulação normal do sangue.Fabricadas em pequeníssimas quantidades no interior das células, as prostaglandinas formam uma vasta família de moléculas pequenas – cada uma delas composta por uma seqüência de apenas 20 átomos de carbono -, com ações distintas nas diferentes partes do corpo, que vão do controle da pressão arterial e da ativação do centro cerebral da dor à indução ao parto.

ntre as 36 prostaglandinas naturais conhecidas, o pesquisador da UFRGS selecionou as ciclopentenônicas (CP-PGs, na sigla em inglês), em cuja estrutura cinco dos 20 átomos de carbono se unem formando um anel. Não foi uma escolha ao acaso. Durante seu doutoramento, orientado pelo bioquímico Rui Curi, da Universidade de São Paulo, Homem de Bittencourt passou um ano no laboratório da bióloga Maria Gabriella Santoro, da Universidade de Roma, Itália. Foi ela que descobriu uma propriedade fundamental dessas prostaglandinas: uma vez no interior das células, essas moléculas impedem dois fenômenos ligados ao surgimento do ateroma, a inflamação e a multiplicação celular.

É mais fácil entender o valor desse composto com uma rápida explicação de como se formam essas placas de gordura nas paredes das artérias. A hipertensão arterial crônica, a ingestão de alimentos ricos em gorduras ou o consumo de cigarros, por exemplo, produzem lesões imperceptíveis no endotélio, a camada de células que reveste o interior das veias e artérias. É um efeito restrito, mas que ecoa pelo organismo. Nas células danificadas, um sinal químico induz a produção de proteínas típicas da inflamação, que, expostas na superfície celular, servem como um cartaz luminoso, indicando ao sistema de defesa: “Há problemas por aqui!”. Células de defesa se deslocam até a região afetada dos vasos sangüíneos e destroem as células doentes.

Mas o sinal químico que dispara a produção dessas proteínas também indica às células do endotélio que elas devem se multiplicar. As novas células do revestimento das artérias passam então a envolver as células de defesa, que não param de chegar à região do ferimento. Não fosse o bastante, as moléculas de gordura em excesso no sangue – e não aproveitadas pelo organismo na produção de energia – aderem a esse bolo celular que cresce para o interior das veias e artérias. Eis o ateroma, que não é formado apenas por moléculas de gordura como normalmente se imagina. Há também átomos eletricamente carregados (íons) de cálcio, que se depositam sobre o ateroma e tornam a artéria menos elástica e mais propensa ao rompimento.

Com as prostaglandinas ciclopentenônicas, imaginou Homem de Bittencourt, em tese seria possível travar o gatilho que dispara a formação do ateroma e eliminar o mal antes de seu aparecimento. É que essas moléculas se ligam a uma proteína-chave no processo de multiplicação celular e inflamação, a enzima I-kappaB quinase ou simplesmente IKK. Como um goleiro que intercepta a bola a caminho do gol, as prostaglandinas se atracam à IKK e impedem o envio do sinal para as células multiplicarem e o sistema de defesa entrar em ação. Há um efeito benéfico extra: as CP-PGs auxiliam no reparo de proteínas danificadas pela lesão na célula.

Embalagem segura
Era a escolha perfeita. Mas faltava encontrar uma forma de levar as prostaglandinas ciclopentenônicas até o ateroma. É que, embora sejam naturalmente produzidas pelo organismo, essas moléculas não podem ser injetadas diretamente no sangue. Por causa de sua potente ação antiproliferativa, se lançadas na circulação sangüínea, essas prostaglandinas causariam os mesmos efeitos indesejados da quimioterapia convencional com medicamentos anticâncer, como queda de cabelo, problemas intestinais, além de um intenso mal-estar geral. “A solução foi embalar as prostaglandinas em lipossomos, cápsulas de gordura produzidas artificialmente, com uma estrutura semelhante à de uma bola de futebol”, explica Homem de Bittencourt.

Mas mesmo o uso de lipossomos não garantia a ação das prostaglandinas no local certo. Como essas cápsulas gordurosas apresentam a mesma carga elétrica que as células do endotélio, seriam repelidas pelas paredes das artérias e permaneceriam no sangue até as células de defesa as consumirem. Ainda era preciso encontrar um modo de conduzir as cápsulas ao local da lesão.A equipe da UFRGS só encontrou a saída quando notou uma peculiaridade das células danificadas do endotélio: elas apresentam em sua superfície uma proteína que não é encontrada em nenhum outro lugar do corpo. São as moléculas de adesão vascular, o tal cartaz luminoso que atrai a atenção das células de defesa e ao qual elas se ligam. O pesquisador gaúcho teve então a idéia de acrescentar aos lipossomos carregados de prostaglandinas uma proteína que se encaixa perfeitamente às moléculas de adesão vascular.

Ação pontual
Resultado: os lipossomos mergulhados no sangue enroscam nas moléculas de adesão ao passarem pelo ferimento e, como o cavalo recheado de guerreiros que os gregos ofertaram aos troianos, são absorvidos pelas células avariadas. Assim, as prostaglandinas atuam apenas no ponto desejado, sem gerar os efeitos indesejáveis. Eis a principal diferença entre o composto desenvolvido pelo grupo do Rio Grande do Sul e os outros medicamentos usados no combate à aterosclerose – as estatinas, por exemplo, atuam de outra forma e reduzem o risco de aterosclerose porque inibem a produção de colesterol em especial no fígado. “Além de usado para tratar a aterosclerose, o composto à base de prostaglandinas talvez possa prevenir a formação dos ateromas nos casos em que há histórico familiar de colesterol alto”, diz Homem de Bittencourt, que já obteve o registro de patente da nova formulação no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI).

Na primeira bateria de testes, o composto da UFRGS mostrou resultados animadores. Experimentos com camundongos geneticamente alterados para desenvolver aterosclerose e alimentados por quatro meses com uma dieta rica em gorduras mostraram que o composto à base de prostaglandinas eliminou as placas de ateroma após duas semanas de uso diário – os animais que não receberam a formulação, em geral, morreram em 15 dias. Segundo o pesquisador, esse resultado – claro, guardadas as devidas proporções – corresponderia ao caso de uma pessoa com 80% das artérias do coração bloqueadas que se curaria da doença após um ano e meio de tratamento com o composto.

De acordo com Homem de Bittencourt, uma indústria farmacêutica nacional, cujo nome se mantém em sigilo, atualmente negocia com o escritório de transferência de tecnologia da UFRGS para tornar o composto à base de prostaglandinas de fato em um novo medicamento. É uma parceria fundamental, uma vez que os testes necessários para comprovar a eficácia e a segurança do composto devem custar cerca de R$ 5 milhões, quase oito vezes mais do que já se gastou. Dificilmente as instituições que apoiaram essa pesquisa até agora – o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (Fapergs) e a própria UFRGS – teriam condições de financiar, sozinhas, a etapa de desenvolvimento desse limpador de artérias.

O Projeto
Prostaglandinas ciclopentenônicas no sistema cardiovascular: potencial terapêutico na hipertensão arterial e na aterosclerose por citoproteção e redirecionamento do metabolismo lipídico; Coordenador Paulo Ivo Homem de Bittencourt Júnior – UFRGS; Investimento R$ 497.000,00 (CNPq), R$ 34.250,00 (UFRGS) e R$ 61.050 (Fapergs)

Republicar