Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

NOVO SECRETÁRIO

Foco na matriz energética

Altenfelder Silva assume a SCTDE com planos de investir em pesquisa

O novo secretário de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo, Ruy Martins Altenfelder Silva, pretende comandar a Pasta num constante diálogo com as universidades, fundações e institutos de pesquisa e com os agentes da produção e do trabalho. Seu plano é ampliar, “cada vez mais, a interseção da ciência e tecnologia com o desenvolvimento econômico”, afirmou em entrevista àPesquisa FAPESP , uma semana após ter sido empossado no cargo. Altenfelder Silva substitui o ex-secretário e deputado federal José Anibal, que voltou à Câmara dos Deputados, em Brasília, e assumiu a presidência nacional do PSDB.

Um dos principais desafios do novo secretário será elaborar, em conjunto com outras secretarias do governo paulista, projetos na área de energia que contribuam para mudanças na matriz energética. “A nossa intenção é levar ao governador propostas para o desenvolvimento de projetos na área de oferta de energia, uma vez que a questão da demanda já está sendo bem encaminhada pelo governo federal, com o fantástico apoio da população”, explica. Do ponto de vista da oferta de energia, continua, a ciência e tecnologia terão um papel preponderante, principalmente no que se refere às novas tecnologias, aos esforços de mudança da matriz e de inserção de novas fontes energéticas no mercado. “O país não pode ficar tão dependente da hidreletricidade”, justifica.

Ele adiantou já ter iniciado contatos com diversas universidades e institutos de pesquisa. “Os bons projetos serão os primeiros a integrar os planos do governo, até porque já têm avaliação técnica por parte dos responsáveis.” O secretário disse ter pressa para dar andamento aos projetos, já que se trata de buscar solução para um problema urgente. “Já iniciamos contato com as áreas acadêmicas”, adianta. Os recursos para o financiamento do programa de energia, afirmou, serão definidos pelo governador Geraldo Alckmin.

Nesse programa, assim como nos demais desenvolvidos pela Secretaria, a FAPESP deverá ter uma participação significativa. Ele observou que todos os projetos patrocinados pela Fundação, ou aqueles ainda em fase de avaliação para desenvolvimento, estão perfeitamente afinados com a linha de pensamento e de ações do governo de São Paulo. “A FAPESP, ao mesmo tempo que desenvolve pesquisas calcadas nas necessidades nacionais, buscando aprimorar a presença de São Paulo entre os centros de excelência internacionais, também norteia suas ações para sondar aquilo que as empresas brasileiras realmente precisam.” Considera a Fundação “o orgulho da ciência e tecnologia brasileira e uma das jóias da coroa, nesta área”.

Enfatiza seu respeito à autonomia universitária – “um dogma”, em sua opinião -, que também pressupõe a participação da comunidade e do Executivo em projetos de interesse comum. Garante que a Secretaria será uma forte aliada da FAPESP nas ações que dependerem do Executivo como, por exemplo, a aceleração de projetos importantes, principalmente, volta a sublinhar, aqueles ligados à oferta de energia.

Altenfelder Silva é presidente do Instituto Roberto Simonsen, um centro de estudos avançados ligado à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e ao Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), que desenvolve pesquisas nas áreas de relações internacionais, tecnologias, ciências jurídicas e sociais e problemas ligados à pequena e média indústria. Para assumir a Secretaria, afastou-se da superintendência da Fundação Bunge, que sucedeu a Fundação Santista, responsável, há 46 anos, pelo Prêmio Moinho Santista, e da presidência da Associação Brasileira de Comunicação Empresarial, que reúne cinco mil associados e cujo foco de atuação são as áreas estratégicas de resultado. Licenciou-se também da vice-presidência do Ciesp. “Vim do setor privado, mas conheço de perto a academia”, afirmou. Afirma que o principal desafio do cargo é fazer com que os “agentes da produção e do trabalho ajam em profunda consonância com os responsáveis pela ciência e tecnologia”.

Republicar