guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Tecnociência

Interferências investigadas

Um sofisticado aparelho instalado no Centro Espacial de Cachoeira Paulista do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), no interior de São Paulo, permitirá aprofundar os estudos a respeito do clima espacial sobre o território brasileiro, especialmente das “bolhas de plasma”. Esse fenômeno, descoberto por pesquisadores do instituto em 1978 e ainda pouco conhecido, causa interferências em sinais de satélites e na navegação de aeronaves que empregam o sistema GPS (Global Positioning System).

Batizado de interferômetro, o instrumento da marca Fabry-Perot foi importado da Inglaterra e financiado pela FAPESP em US$ 220 mil. Dotado de um detector supersensível à luz vermelha, com comprimento de onda de 630 nanômetros (o nanômetro é a milionésima parte do milímetro), ele fará medidas de velocidade do vento e temperatura de regiões de alta atmosfera, parâmetros indispensáveis ao estudo do clima espacial. Os dados serão colhidos em noites de céu limpo, numa faixa da termosfera que abrange a ionosfera, região da atmosfera onde as bolhas de plasma se formam.

O interferômetro também permitirá estudar, pela primeira vez no país, as ondas de gravidade que se originam na Antártica, na ocorrência de tempestades magnéticas, e que se deslocam para a região tropical do planeta.

Republicar