guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Recursos humanos

IPT renova quadros

Instituto fará concurso público para preencher vagas de técnicos e pesquisadores

O Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) vai contratar 87 pesquisadores, oito técnicos e cinco supervisores administrativos para preencher um total de 100 cargos já existentes. Os novos contratados vão atuar nas suas diversas áreas de investigação e no desenvolvimento de novas tecnologias. A autorização para ampliação do atual quadro de funcionários assinada pelo governador, Geraldo Alckmin, foi publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo no dia 17 de julho. “Num ambiente dinâmico como o de tecnologia e inovação, esta é um boa nova”, comemora Guilherme Ary Plonski, diretor superintendente do IPT.

As vagas serão preenchidas por meio de concursos públicos, que se realizarão ao longo do segundo semestre. “Não faremos um pacote para selecionar e escolher pesquisadores”, adianta Francisco Emílio Baccaro Nigro, diretor técnico do IPT. O Instituto já tem um perfil das vagas, que incluem, inclusive, pós-doutorados. Para algumas categorias, a seleção seguirá os mesmos moldes de uma banca examinadora, com prova de currículo, entrevista e apresentação de temas. As contratações serão consumadas a partir de janeiro, após o período eleitoral.

O último concurso foi em 1994 e o número de funcionários, na época, chegou a 1.470. Ao longo dos últimos oito anos, a rotatividade no trabalho e as aposentadorias reduziram o quadro para 940 funcionários, sem possibilidade de novas contratações. A redução do pessoal, no entanto, não comprometeu a oferta de serviços prestados pela instituição, tampouco a receita, que saltou de R$ 20 milhões, em 1994, para R$ 45 milhões, neste ano.

A dotação orçamentária do Estado, no mesmo período, caiu de R$ 80 milhões para R$ 42 milhões. Plonski explica que a saúde orçamentária da instituição permitirá que o instituto assuma a responsabilidade dos salários dos novos funcionários “sem ter que pedir mais dinheiro para os cidadãos”. Ele conta, ainda, que a injeção de ânimo resultante da renovação dos quadros produzirá inflexão na curva da receita e ampliará a oferta de serviços para a sociedade.

Novas tecnologias
O reforço de quadros vai permitir que o IPT junte suas várias competências para avançar na direção de novas linhas de pesquisa, como a criação de um Núcleo de Tecnologia Aplicada à Segurança Pública. A idéia é subsidiar a ação do Estado e outras partes interessadas na análise, seleção, desenvolvimento e implantação de tecnologias de segurança como, por exemplo, um sistema de reconhecimento de detentos, visitantes e de funcionários de presídios baseado em impressão digital e/ou por íris; sistema de reconhecimento de alterações em padrão geológico superficial e de padrão acústico, que permitiria a detecção da construção de túneis utilizados para fuga; ou ainda sistema de identificação de resíduos, de alta resolução, que aumentaria a precisão das perícias.

Outro tema que também deverá ganhar espaço com a ampliação do quadro de pesquisadores é o das aplicações industriais desenvolvidas com base em produtos agrícolas. “A nossa intenção é pesquisar novos materiais a partir de produtos recicláveis e aplicações em microeletrônicas, nanosensores, entre outros”, afirma o diretor técnico do instituto. O IPT já desenvolve, em fase experimental, plásticos biodegradáveis extraídos da sacarose. “O Brasil tem enorme potencial agrícola e precisa arrumar alternativas para aplicações industriais, que permitam, por exemplo, a redução da emissão de gás carbônico (CO2) e melhorias ao meio ambiente.”

Republicar