guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Memória

Máquina de calcular

Invenção do matemático francês Blaise Pascal completa 360 anos

As modernas calculadoras cabem na palma da mão de uma criança. Mas quando a primeira máquina de calcular foi inventada, em 1642, há 360 anos, era uma grande caixa cheia de engrenagens apoiada em uma mesa. Fazia apenas soma e subtração, mas causou assombro. Primeiro, porque o mais próximo que havia de uma máquina de calcular, até o século 17, era o ábaco. Segundo, porque seu inventor, o francês Blaise Pascal (1623-1662), a construiu muito jovem, quando tinha entre 19 e 21 anos. O objetivo era ajudar o pai, Étienne, matemático famoso na França. Anos depois, Pascal tornou-se, também ele, um importante matemático, além de escritor e filósofo respeitável.

A pascalina (nome dado por ele à calculadora) teve como antecessora o ábaco, que não era propriamente uma máquina e sim um instrumento criado entre 3 mil e 4 mil anos atrás na Ásia, que permite cálculos rápidos feitos por meio do manuseio de contas ou sementes secas, que deslizam sobre varetas paralelas dentro de um retângulo de madeira. Incrivelmente eficiente quando se adquire prática no seu uso, o ábaco ainda é utilizado em diversas regiões asiáticas. O problema é que qualquer distração leva ao erro. Já a pascalina é um aparelho mecânico com seis rodas dentadas, cada uma com algarismos de 0 a 9. Com ela, era possível somar três parcelas de uma vez, até o valor 999.999. Há relatos de que, 20 anos antes dela, em 1623, o alemão Wilhelm Schickard teria criado um instrumento semelhante ao do francês.

Destruído posteriormente por um incêndio, não restaram exemplar ou ilustração para comprovar a história. Pascal fez sua máquina sem saber da tentativa de Schickard. Hoje ela está exposta no museu do Conservatoire des Arts et Metiers, em Paris, e ainda funciona. Quase 30 anos depois da pascalina, em 1671, o matemático e filósofo alemão Gottfried Leibniz aperfeiçoou a calculadora de Pascal: além de somar e subtrair, a nova máquina multiplicava e dividia. A calculadora “de bolso”, com circuitos transistorizados, pesando 1 quilo e custando US$ 150, apareceu só em 1970 nos Estados Unidos. Em pouco tempo, sua disseminação fez o preço e o peso despencarem. Hoje é possível comprar uma calculadora por menos de R$ 5,00 pesando apenas60 gramas (com a pilha).

Republicar