guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Educação

Modelo para a formação de gestores

Endeavor, Sebrae-SP e FAPESP firmam parceria inovadora

O projeto Capacitação Gerencial e Inserção no Mercado de Empresas do PIPE, implementado pelo Instituto Empreender Endeavor, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-SP) e FAPESP, inaugura uma parceria inovadora. O projeto se traduz na realização de cursos semestrais de preparação de empreendedores para a gestão do negócio e para a sua inserção no mercado. Mas a grande novidade está no modelo adotado para a capacitação: integra os programas já existentes nas três instituições envolvidas no projeto, explora sinergias e amplia o retorno dos recursos investidos. “Cada parceiro participa na sua área de competência, aliando a inovação, empresas e pesquisa”, diz Marcelo Dini Oliveira, gerente da Unidade de Inovação e Acesso a Tecnologias do Sebrae-SP. A FAPESP coloca à disposição do projeto sua expertise na seleção e acompanhamento de projetos de inovação tecnológica; o Empreender Endeavor, a experiência na seleção e suporte estratégico para empreendedores inovadores e na capacitação gerencial; e o Sebrae-SP, seu know-how na gestão de negócios de pequenas empresas e sua relação com o mercado.

Os cursos – que serão conduzidos pelo W-Institute, parceiro educacional contratado – são o núcleo do projeto. Serão realizados em 49 municípios paulistas que abrigam projetos financiados pelo PIPE, e a primeira turma contará com cem participantes. Parte das atividades será presencial e ocorrerá em espaço físico cedido pela FAPESP. Outras atividades poderão ser realizadas a distância, por meio de ferramenta de e-learning. Os empreendedores terão, ainda, acesso gratuito a reuniões de aconselhamento estratégico, participação igualmente gratuita em seminários semanais, além de ter a oportunidade de desenvolver projetos específicos de interesse de suas empresas com o apoio de estudantes de pós-graduação de universidades conveniadas, recrutados pelo parceiro educacional.

Estes estudantes poderão colaborar, por exemplo, na elaboração e realização do plano de negócio da empresa, uma das dificuldades mais comumente apontadas por empreendores na busca de parceiros de risco.”Será, na verdade, um curso com consultores”, resume Marília Rocca, diretora-geral do Endeavor, uma organização sem fins lucrativos que iniciou suas atividades no Brasil em 2000 e cuja missão é gerar emprego e renda por meio do fomento à cultura empreendedora baseada na oportunidade e na inovação. Os participantes poderão também consultar – por meio eletrônico – uma rede de 300 empresários-voluntários mantida pelo Endeavor, que reúne diretores de empresas como Danone, Cisco, Votorantim Metais, Microssiga, apenas para citar uns poucos exemplos.

Também terão assessoria de advogados especializados em assuntos relevantes e com larga experiência no mercado, igualmente ligados ao Endeavor. “O programa inova porque reúne elementos que não andam juntos em empreendimentos de base tecnológica: a capacitação de empresários, dirigida à necessidade de inovação, com orientação sobre patenteamento e capital de risco, além de qualificação para o desenvolvimento de novos modelos”, diz Marília. O Sebrae-SP vai incluir os empreendedores participantes do projeto nas rodas de negócios voltadas para a área de tecnologia, além de divulgar o programa entre as empresas da sua rede com o objetivo de trazer novos candidatos ao PIPE.

O projeto será coordenado por um especialista – já contratado pelo Endeavor e que ficará locado na FAPESP – responsável pela implementação do cronograma de trabalho, elaboração do material de comunicação, operacionalização das aulas, aplicação de formulários de avaliação do projeto e elaboração de entrevistas de pré-seleção, entre outras atividades.

Competitividade
Além de qualificar empreendedores e garantir a competitividade de sua empresa no mercado, o projeto poderá, ainda, fomentar parcerias entre empresas e escolas, desenvolver tecnologias de acesso ao mercado e programas de educação voltados para as necessidades do público. “Não existe nada parecido no Brasil”, completa Marília. “Esse pode ser um modelo de formação de gestores”, observa Oliveira. O projeto está orçado em R$ 808,4 mil. O Sebrae-SP responderá pelo custeio de 49% do custo total do projeto, e o Endeavor e a FAPESP, juntos, farão uma contrapartida financeira correspondente a 16,91% do custo total. As empresas participantes do programa também contribuirão para o seu custeio com R$ 100,00 por empreendedor.

Republicar