Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

Brasil

O Brasil perde terreno

O Brasil caiu da 39ª para a 46ª posição no ranking do Fórum Econômico Mundial que avalia o nível de preparação de 104 nações para participar dos avanços na tecnologia da informação e de comunicação. Passaram à frente do Brasil países como Malta, Tunísia, Eslovênia, Barein, Chipre, Hungria e Jordânia. Os Estados Unidos, líderes no ranking anterior, caíram quatro posições. O primeiro lugar foi conquistado por Cingapura, graças a seu desempenho extraordinário em áreas como qualidade de ensino em matemática e em ciências, preço de conexões telefônicas, grau de prioridade conferido pelo governo à tecnologia e custos de conexão com a internet. “A experiência de Cingapura ilustra o papel central da tecnologia como motor do crescimento e da competitividade”, afirmou o diretor do programa de competitividade global do Fórum, Augusto Lopez-Claros. Os Estados Unidos, contudo, ainda são os primeiros em temas como qualidade de instituições de pesquisa científica e oferta de oportunidades de treinamento para trabalhar no setor. O Brasil, apesar da queda, é o segundo mais bem colocado na América Latina. O primeiro é o Chile, em 35º lugar. As outras duas grandes economias da região também perderam espaço. A Argentina caiu 26 posições e está em 76° lugar. O México caiu da 44ª para a 60ª posição. “Com exceção do Chile, a América Latina como um todo sofre com um arcabouço legal pobre para o desenvolvimento do setor de tecnologia da informação e de comunicação, pesados fardos administrativos, baixa prioridade governamental para o desenvolvimento do setor, baixas taxas de penetração da internet e fuga de especialistas, o que mina o potencial para um crescimento mais rápido do setor”, disse Claros, que destacou a perda de terreno da América Latina para o Leste Europeu e, sobretudo, a Ásia. A China e a Índia subiram no ranking. Passaram a ocupar, respectivamente, a 39ª e a 41ª posições no atual relatório. Estavam na 45ª e 51ª no relatório anterior.

Republicar