guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Boas práticas

Publique ou pereça

Arthur VerganiA revista científica de acesso aberto Nutrients perdeu todos os seus 10 editores seniores, que renunciaram aos postos em protesto contra a pressão para publicar artigos que consideravam de baixa qualidade. O periódico foi criado em 2009 pela Multidisciplinary Digital Publishing Institute (MDPI), empresa baseada na Suíça com um portfólio de 237 publicações técnicas e científicas. A renúncia coletiva resultou de um conflito entre a empresa e o editor-chefe da Nutrients, Jonathan Buckley, pesquisador em nutrição e fisiologia do exercício da Universidade do Sul da Austrália, em Adelaide. Em agosto, ele recebeu um e-mail da MDPI comunicando sua substituição no comando da revista a partir de 2019 por alguém que trouxesse “ideias novas” para a publicação. Para Buckley, que renunciou prontamente, o episódio foi o ponto final de um desentendimento acerca de uma política rigorosa para aceitar artigos: sob sua gestão, a taxa de rejeição de manuscritos submetidos à revista subiu de 55% para 70%, o que ajudou a elevar seu fator de impacto, inferior a 1 em 2011, para os atuais 4,7.

O presidente da MDPI, Franck Vasquez, classificou a estratégia de Buckley como “artificial” e exageradamente centrada no aumento do fator de impacto. “Quando um artigo é robusto e útil para pesquisadores, ele deve ser publicado, mesmo que os resultados não tragam uma novidade”, disse à revista Science. A estratégia restritiva de Buckley, embora renda prestígio para a publicação, não colabora com o desempenho financeiro da empresa. Os autores de cada artigo selecionado pagam uma taxa de US$ 1,8 mil à MDPI – quanto mais papers publicados, maior o faturamento. Lynda Williams, pesquisadora da Universidade de Aberdeen, no Reino Unido, e uma das editoras que renunciou, diz que a empresa tem uma visão equivocada, capaz de comprometer o esforço para dar prestígio à publicação e atrair bons artigos científicos. Vasquez rejeita essa avaliação e diz que outras publicações da MDPI conseguiram ampliar o fator de impacto aumentando o número de artigos.

Em 2014, as revistas da MDPI chegaram a ser incluídas em uma relação de publicações predatórias, aquelas que publicam papers sem qualidade, cobrando por isso. Mas a empresa apelou ao responsável pelo índice, o bibliotecário Jeffrey Beall, da Universidade do Colorado, e deixou de figurar na lista no ano seguinte. O mercado das publicações comerciais de acesso aberto tem perspectivas de expansão. No mês passado, 11 países europeus anunciaram que, a partir de 2020, só apoiarão projetos de pesquisadores que aceitarem divulgar seus trabalhos em revistas de acesso aberto. A iniciativa foi coordenada pela Science Europe, composta por instituições de fomento como a Agência Nacional de Pesquisa da França (ANR) e a recém-criada UK Research and Innovation, do Reino Unido. Segundo o grupo, não será mais admitida sequer a publicação de artigos em revistas híbridas, aquelas que vivem de assinaturas mas cobram uma taxa extra para que artigos sejam prontamente disponibilizados na web.

Republicar