guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Cooperação

Reforço para a diplomacia

Itamaraty cria centro para monitorar tendências da inovação internacional

Está sendo implementado no Ministério das Relações Exteriores (MRE), o Centro de Gestão Estratégica do Conhecimento em Ciência e Tecnologia (CGECon), com o objetivo de apoiar a formulação da política externa brasileira em C&T no campo da cooperação internacional. O CGECon está vinculado ao Departamento de Cooperação Científica, Técnica e Tecnológica (DCT) do Itamaraty, é subsidiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e conta com a parceria do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). “O centro está voltado para a reestruturação do sistema de informações em C&T no exterior”, diz Cristian Lapa, consultor do projeto.

O centro coordena uma rede de 21 observatórios localizados em representações diplomáticas brasileiras no exterior que funcionam como “antenas” do panorama tecnológico e das tendências e mudanças em C&T. Essas informações, cotejadas com o cenário da pesquisa nacional, permitem o monitoramento de “brechas tecnológicas” que podem ser aproveitadas pelo governo brasileiro.

O CGECon também atua como roteador de conhecimentos e informações, por meio da operação de comunidades virtuais integradas por especialistas. Para tanto, conta com uma infra-estrutura de software desenvolvida no Massachusetts Institute of Technology (MIT) – operando em código aberto –, que está sendo testada no gerenciamento de duas comunidades virtuais. A primeira comunidade, com cerca de 60 membros, debate modelos de compensação tecnológica, comercial e industrial, conhecido como Off Set e foi criada em agosto do ano passado, num seminário sobre o tema organizado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), lembra Ronan Coura Ivo, administrador da comunidade.

Hoje, os principais parceiros nesse debate são representantes dos ministério militares que têm larga experiência na manutenção de acordos de Off Set, na importação e exportação de armamentos, aviões, entre outros. “Esses especialistas têm a tarefa de capacitar diplomatas na formulação de acordos semelhantes”, explica Lapa.

O segundo grupo virtual analisa um tema ainda pouco explorado por produtores nacionais, o Ecodesign, que envolve a utilização de materiais com maior grau de degradação. O tema foi escolhido para atender a demanda do mercado. As duas comunidades virtuais são administradas pelos participantes que definem as regras e a política de acesso aos debates.

O CGECon também acompanha a produção científica no país. Mantém um bolsista no Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), em São Paulo, e apoiou a organização do Brazilian Technological Day, realizado no final de fevereiro, em Washington. O site do CGECon (www.cgecon.mre.gov.br), criado com o apoio de técnicos do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), oferece notícias de C&T, consulta a diversas bases de dados, videoconferência, entre outros serviços.

Republicar