guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

nobres descartados

Resíduos transformados

Dois resíduos nobres descartados em aterros industriais, a raspa de couro e a sobra de um polímero usado como revestimento no para-brisa dos carros para impedir o estilhaçamento do vidro, foram reciclados para dar origem a um novo produto, com características ideais para ser usado no solado de calçados. “Fizemos ensaios de resistência ao desgaste, ao rasgo e de colagem e o produto final mostrou ter todas as qualidades necessárias para concorrer com o solado de borracha natural”, diz o pesquisador José Donato Ambrósio, do Centro de Caracterização e Desenvolvimento de Materiais da Universidade Federal de São Carlos (CCDM-UFSCar), que desenvolveu o compósito à base de resíduos de couro com polivinil em parceria com Lidiane Costa, Alessandra Marinelli e Elias Hale Junior. A ideia de trabalhar nesse compósito surgiu em 2006, após visitas a fábricas de calçados, na cidade de Jaú, e de luvas e aventais de couro, usados como equipamentos de proteção para trabalhadores, em Bocaina, ambas no interior paulista. “Da raspa do couro usada para fazer luvas e aventais, somente um terço é aproveitado, o restante é descartado em aterros sanitários”, diz Ambrósio. O descarte em aterros é necessário porque o material contém, entre outras substâncias, óxido de cromo, utilizado no processo de curtir o couro. “Disperso no ambiente, pode contaminar lençóis freáticos, rios e plantas.”

Republicar