guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Design

Santos Dumont

Exposição em São Paulo mostra talento pouco conhecido do inventor

DIVULGAÇÃODemoiselle voando com Santos DumontDIVULGAÇÃO

Neste ano do centenário do vôo do 14-Bis, Alberto Santos-Dumont é protagonista de uma exposição que mostra um lado ainda pouco conhecido do inventor genial. O artista plástico Guto Lacaz tratou de escancarar um talento do brasileiro voador que, para o olhar do artista, é óbvio. “Santos-Dumont é um dos pioneiros do design de produto”, afirma Lacaz. “Ele projetou, construiu e pilotou 22 aeronaves sempre procurando o melhor desenho para conseguir o melhor desempenho de cada balão e avião”. Para mostrar mais essa face de seu pioneirismo, o artista montou Santos Dumont Designer no Museu da Casa Brasileira, em São Paulo, com reproduções de balões, aviões, hangar, desenhos e maquete da casa de Petrópolis, entre outros projetos. Todos têm a marca da ousadia do inventor.

Lacaz deu vazão a um interesse que teve início ao ler Os meus balões, de Santos-Dumont, há quase 20 anos. Como tantos brasileiros, na época o artista acreditava que o 14-Bis era sua única criação. Começou a colecionar informações e fotos de tudo o que se referia a ele. Em 1998 deu a aula inaugural de História do Design na Faculdade de Artes Plásticas da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), com o tema “Santos-Dumont designer”, a convite de Adélia Borges, professora da disciplina. Foi ela quem o convidou a conceber e montar a exposição no Museu da Casa Brasileira ainda em 2003, quando assumiu a direção dessa instituição especializada em design.

Lacaz tratou de providenciar uma boa retaguarda para ser fiel a Santos-Dumont. Fernando Martini Catalano, especialista em aerodinâmica e professor de engenharia mecânica da Universidade de São Paulo em São Carlos, e Henrique Lins de Barros, físico do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), do Rio de Janeiro, prestaram assessoria. Foram contratados marquetistas e a exposição se fez com o patrocínio da Aço Villares. Todo o trabalho resultou em uma aula sobre a originalidade de Santos-Dumont – em especial quando se fica sabendo que em cada projeto feito por ele havia sempre alguma inovação tecnológica. Podia ser um leme maior, um novo formato de balão, um motor adaptado à nacela (cesta) do dirigível ou desenhos originais para um novo avião.

Contribuições
Na sala central do museu há túneis de vento onde modelos em escala do 14-Bis e do Demoiselle voam literalmente. Uma Torre Eiffel estilizada com o balão nº 6 lembra o prêmio que o brasileiro ganhou ao provar a dirigibilidade dos balões, em 1901. Há outros aeronaves reproduzidas em escala e até a recriação do Campo de Bagatelle, de Paris, nos jardins do museu. Lá são realizadas demonstrações mecânicas dos vôos do 14-Bis, com modelos. Em uma das salas foi montada a maquete de um hangar com mais uma criação sua: a porta de correr, que exigia uma força muito menor para ser aberta. Outras contribuições de Santos-Dumont são um chuveiro original, na verdade, um balde furado pendurado acima da cabeça onde se misturavam a água fria e a quente, esta aquecida a álcool. A Encantada, casa do inventor construída por ele em Petrópolis, aparece detalhada em outra curiosa maquete aberta. A exposição vai até 16 de julho. Mais informações estão disponíveis em www.santosdumontdesigner.com.br.

Foi o interesse comum de Lacaz e Adélia que levou à exposição da obra de Santos-Dumont como um grande designer. “O conhecimento de mecânica, de tecnologia e de materiais o habilitava a materializar a solução para suas necessidades e oportunidades em objetos ou mecanismos perfeitamente originais”, escreveu ela no catálogo. “Um raro senso de elegância, por sua vez, permitia a ele ir além da praticidade para se distinguir pelo apuro das formas”.

Design é solução”, diz Guto Lacaz. Os novos desenhos de balões e aviões que Santos-Dumont fazia eram para resolver problemas. “Ele obtinha muito sucesso porque as soluções eram sempre muito simples e corretas”. O físico Henrique Lins de Barros, um dos maiores estudiosos do aviador, confirma essa sagacidade tecnológica que levava com freqüência a projetos bem-sucedidos. “Santos-Dumont saiu do balão para o avião, o 14-Bis, sem passar pelo planador. Foi o único a conseguir”, diz Barros.

Lacaz considera o 14-Bis algo excêntrico dentro da obra do inventor. Para ele, parecia esquisito imaginar o 14-Bis voando pelo “lado errado”, e não como se voa hoje. “Sempre tive dúvidas se ele era realmente bonito”, conta. Mas, ao ver no ar a réplica feita pelo piloto Alan Calassa, de Caldas Novas (GO), o artista não teve mais dúvida: “Fiquei convencido de que o 14-Bis voa lindamente, com suavidade”. O projeto mais emblemático que reforça a idéia de que Santos-Dumont foi um pioneiro do design de produto é o Demoiselle, um ultraleve muito copiado. Ele publicou o projeto na revista Popular Mechanics em 1910 e mais de 200 unidades foram construídas por pequenas empresas ou particulares – situação ilustrada com miniaturas em formação no céu cenográfico de uma das salas da exposição -, o que o torna o primeiro avião a ser produzido em série. “É o modelo que realmente vai influenciar a aeronáutica”.

Republicar