guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Fapesp week

Simpósios em Munique e Washington

Daniel BuenoA FAPESP realiza em outubro mais uma edição do simpósio internacional FAPESP Week. Pela primeira vez o evento acontece na Alemanha, na cidade de Munique, no âmbito de um acordo de cooperação entre o estado de São Paulo e o estado livre da Baviera. Entre os dias 15 e 17, pesquisadores de São Paulo e de instituições de pesquisa alemãs terão a oportunidade de compartilhar experiências e discutir colaborações científicas nas áreas de biotecnologia, nanotecnologia, energia e meio ambiente. A FAPESP Week Munich será realizado no Deutsches Museum, em colaboração com o Ministério da Educação, Ciência e Artes do Estado da Baviera e o Centro Universitário da Baviera para América Latina. O evento também marca a aproximação entre a FAPESP e a Max Planck Society for the Advancement of Science, principal organização de pesquisa básica da Alemanha, cuja presidência fica em Munique (ver Pesquisa FAPESP nº 217). Desde 2011 a FAPESP organizou simpósios científicos voltados para divulgar a ciência feita em São Paulo e estimular colaborações internacionais nas cidades de Washington, Morgantown, Cambridge, Charlotte, Chapel Hill, Raleigh (Estados Unidos), Toronto (Canadá), Salamanca e Madri (Espanha), Tóquio (Japão), Londres (Inglaterra) e Pequim (China). Já nos dias 28 e 29 de outubro, a FAPESP e a divisão científica do Departamento de Energia do governo dos Estados Unidos, em parceria com o Wilson Center, organizarão um simpósio em Washington para fazer um balanço das pesquisas em andamento no âmbito do experimento Green Ocean Amazon (GOAmazon) – uma chamada de projetos feita no fim de 2013 pelas duas instituições e também pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). O evento busca impulsionar novas colaborações em estudos sobre o papel da Amazônia nas mudanças climáticas globais. “O GOAmazon é uma experiência única de entendimento integrado de como a Amazônia funciona e como o ecossistema da região é suscetível às mudanças climáticas. É uma iniciativa estratégica para a elaboração de políticas públicas com base científica de longo prazo”, diz Paulo Artaxo, professor do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP) e membro da coordenação do Programa FAPESP de Pesquisa em Mudanças Climáticas Globais. Ele fará uma apresentação, em um dos painéis do evento, sobre o impacto da pluma (massa de ar com poluição) de Manaus no clima da região a partir de sua interação com as emissões de compostos orgânicos voláteis pela vegetação da floresta.

Republicar