guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Tijolos biodegradáveis

Tijolos biodegradáveis

Ao reunir materiais como 
amido de milho, vinagre, resíduos vegetais, água 
e glicerina, o professor Antônio Ávila, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), criou um tijolo biodegradável 
que será utilizado na construção de fossas sépticas no Quênia. Os materiais 
são misturados, aquecidos 
e colocados em fôrmas 
para secar ao sol. Como 
os tijolos são feitos com encaixes, a sua montagem é muito simples. Empregados nas fossas sépticas, esses blocos vão se decompor 
em dois anos e, junto com 
o resto do material, serão transformados em adubo. Pela técnica convencional, as fossas são feitas de cimento ou barro, com piso concretado. Quando não há tratamento e esgotamento dos resíduos, as cavidades costumam 
ser usadas por um ano, 
no máximo, e depois disso são fechadas, deixando o terreno no local inutilizado. 
O trabalho foi escolhido entre 2.500 projetos no mundo e premiado pela Fundação Bill e Melinda Gates, com US$ 100 mil.
Republicar