POLÍTICA C&T

Print Friendly

Galhos e raízes da árvore da ciência

Projetos começam a reconstituir a genealogia acadêmica de pesquisadores brasileiros

BRUNO DE PIERRO | ED. 249 | NOVEMBRO 2016

 

Revista Pesquisa FAPESP
Podcast: Jesús Mena-Chalco
Em 2017, cerca de 4,5 milhões de pessoas, como estudantes, professores e pesquisadores com currículos registrados na Plataforma Lattes, poderão identificar por meio de uma busca na internet as árvores genealógicas acadêmicas às quais pertencem, reconstituindo laços entre orientadores e seus pupilos construídos nos últimos 75 anos. Uma versão piloto de um sistema web está sendo criada por pesquisadores das universidades Federal do ABC (UFABC) e de São Paulo (USP), com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Além do Lattes, o sistema será abastecido por outras duas fontes: o banco de teses e dissertações da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), com mais de 600 mil documentos, e uma lista de membros da Academia Brasileira de Ciências (ABC). “Estamos fazendo o cruzamento de dados de pesquisadores para complementar informações e evitar possíveis registros duplicados”, explica Jesús Pascual Mena-Chalco, professor do Centro de Matemática, Computação e Cognição da UFABC e coordenador do projeto.

A genealogia acadêmica organiza os vínculos entre gerações de pesquisadores. O orientador é considerado o “pai” dos mestres e doutores que ajudou a formar. Esses, por sua vez, poderão gerar “netos” acadêmicos e assim por diante. A abordagem ganhou expressão com o lançamento de plataformas internacionais disponíveis na internet, como o Mathematics Genealogy Project e o Neurotree Project, que permitem mapear ancestrais acadêmicos em matemática e neurociência. O projeto brasileiro tem a ambição de ser mais amplo e abranger pesquisadores do país em todas as áreas do conhecimento. Segundo Mena-Chalco, isso é possível graças à Plataforma Lattes, que se tornou fonte de informações para pesquisadores que buscam dados sobre a ciência brasileira a fim de estudar seus fenômenos e tendências (ver Pesquisa FAPESP nº 233). “O Brasil é o único país com uma plataforma que registra as atividades de toda a sua comunidade científica”, diz.

Os usuários poderão colaborar, fornecendo dados que estejam faltando. “A ideia é que o sistema seja permanentemente atualizado. Quanto mais antigo o vínculo, menor a chance de encontrarmos referências sobre ele na Plataforma Lattes. E há casos de pesquisadores que se esquecem de informar o nome de seus orientadores”, explica Mena-Chalco. Além de fomentar estudos em história e sociologia da ciência, a genealogia acadêmica tem aplicações potenciais no campo da avaliação, medindo a influência que um cientista teve nas gerações seguintes. Em 2015, Mena-Chalco e colaboradores propuseram em um artigo científico um novo indicador, o índice-h genealógico, para avaliar o êxito de um cientista na tarefa de formar sucessores. Um pesquisador com índice-h genealógico 5 é aquele que teve ao menos cinco “filhos” acadêmicos (orientandos), sendo que cada um deles orientou pelo menos cinco pesquisadores. “Trata-se de uma proposta de indicador para avaliar a fecundidade acadêmica de um pesquisador”, diz.

A equipe de Mena-Chalco tem realizado projetos pontuais para testar a proposta. No início do ano, ele publicou um artigo na revista Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, em colaboração com as biólogas Maria Carolina Elias, pesquisadora do Instituto Butantan, e Lucile Floeter Winter, professora da USP, que identifica as raízes históricas da protozoologia no Brasil, área que investiga os protozoários, alguns deles causadores de doenças como leishmaniose, malária e Chagas. A partir de análises do Currículo Lattes e do banco de dados da Capes, foi possível reconstituir a árvore genealógica da área, tendo como base um conjunto de 248 cientistas que contribuíram de maneira relevante na formação de pesquisadores em protozoologia, ao orientarem, cada um, pelo menos 10 teses de doutorado. No final, a árvore reuniu 1.997 pesquisadores, dos quais 20 destacaram-se como pioneiros (ver ilustração). O médico Carlos Chagas (1879-1934) aparece como fundador da linhagem, depois de ter elucidado o mecanismo da doença que leva seu nome, causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi. O levantamento também apontou pioneiros mais recentes, como o bioquímico Walter Colli, professor da USP, e o microbiologista Isaac Roitman, da Universidade de Brasília.

Genealogia_249_GeraçõesSegundo Maria Carolina Elias, o objetivo do trabalho era mensurar a contribuição dos pioneiros, mas também foi possível avaliar outras características na protozoologia no Brasil. “Ao rastrear as relações entre orientadores e orientandos, conseguimos observar como a área evoluiu e qual é o cenário atual”, diz ela. Observou-se, por exemplo, que 68,4% dos pesquisadores que obtiveram o título de doutor em protozoologia continuam atuando na área, enquanto 16,7% migraram para outros campos. O estudo também mostra uma relação entre o aumento do contingente de pesquisadores e a expansão de políticas de apoio à pesquisa nessa área. Entre o final dos anos 1970 e o início dos anos 1990, houve um crescimento da comunidade científica em protozoologia em consequência da criação do Programa Integrado de Doenças Endêmicas, o Pide, financiado pelo CNPq, que investiu US$ 12 milhões em cerca de 200 projetos de pesquisa sobre doenças endêmicas entre 1976 e 1986. “O programa teve um impacto enorme. Nesse período, vemos mais pesquisadores sendo orientados na área”, diz Maria Carolina.

O grupo de Mena-Chalco também está mapeando árvores genealógicas individuais. A primeira foi a de Etelvino José Henriques Bechara, professor do Instituto de Química da USP (ver entrevista em Pesquisa FAPESP nº 229), apresentada em novembro de 2015 em uma homenagem feita na USP para comemorar os 70 anos do pesquisador. O levantamento mostra que Bechara tem 34 filhos acadêmicos, ou seja, pessoas orientadas por ele no mestrado e/ou doutorado ou supervisionadas no pós-doutorado, além de 582 descendentes. “Já tenho tataranetos acadêmicos e nem os conheço”, diz Bechara. “É gratificante saber que meus alunos seguiram adiante orientando outras pessoas, que por sua vez já estão formando outra geração”, afirma o químico, que trabalha com radicais livres desde o doutorado, conduzido sob a orientação do italiano Giuseppe Cilento, professor da USP nos anos 1950 e 1960 e da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) entre os anos 1960 e 1970. Para Bechara, árvores genealógicas acadêmicas mostram dimensões do trabalho dos pesquisadores que os indicadores tradicionais não registram. “Tenho 48 anos de vida universitária e a qualidade do meu trabalho sempre foi medida pelos artigos que publiquei. A genealogia mostra se fui capaz de formar pesquisadores qualificados e de passar adiante meus valores científicos”, afirma.

A busca por ancestrais acadêmicos às vezes traz boas surpresas. Foi o que aconteceu com o matemático francês naturalizado brasileiro Jean-Yves Béziau, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, que há 10 anos começou a investigar suas raízes. “Fiquei surpreso ao ver que sou descendente acadêmico do matemático e filósofo alemão Gottfried Leibniz (1646-1716)”, diz. A descoberta ocorreu depois que Béziau foi convidado a participar do Mathematics Genealogy Project, um dos repositórios de genealogia acadêmica mais antigos. Criado em 1997 pelo Departamento de Matemática da Universidade de Dakota do Norte, nos Estados Unidos, mantém registros que remontam ao século XIV. No total, são mais de 200 mil doutores em matemática e áreas correlatas, como engenharia. Para chegar até Leibniz, Béziau partiu de seu orientador, o matemático Daniel Andler, professor da Universidade Sorbonne, em Paris, e viu que mais 11 pessoas o separavam de Leibniz.

Genealogia_249_CadeiaO Mathematics Genealogy Project é um exemplo de projeto que conseguiu ir longe no tempo. Um dos desafios para quem faz pesquisa nessa área é identificar os orientadores mais antigos. O sistema de currículo Lattes foi lançado em 1999 e contém poucas menções a pioneiros da ciência brasileira. Com frequência, é preciso recorrer a registros históricos para reconstituir a árvore. “Parte de nosso trabalho com a genealogia acadêmica na área de protozoologia foi manual”, ressalta Maria Carolina. Jesús Mena-Chalco destaca outra dificuldade. “No passado, não existia a figura do orientador como a conhecemos hoje. Por isso, tivemos de recorrer a outras fontes para identificar ancestrais acadêmicos”, explica.

Desafios desse tipo são também enfrentados por Alberto Laender, professor titular do Departamento de Ciência da Computação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Ele iniciou no ano passado, juntamente com o seu colega Fabrício Benevenuto, um projeto em genealogia acadêmica denominado The Science Tree, que pretende reunir dados genealógicos de pesquisadores dos mais diversos países. O objetivo é estudar a formação, a evolução e a disseminação de grupos de pesquisa ao redor do mundo. Os dados estão sendo coletados de diversas fontes, entre elas a Networked Digital Library of Theses and Dissertations (NDLTD), que possui registradas mais de 4,5 milhões de teses e dissertações do mundo todo, e também da Plataforma Lattes, o que permitirá integrar as árvores dos pesquisadores brasileiros que se formaram em instituições do exterior com as de seus orientadores.

De acordo com Laender, sua equipe trabalhou inicialmente com dados de apenas 638 mil pesquisadores, com os quais gerou uma floresta de cerca de 98 mil árvores. “Os dados da NDLTD são registrados por instituições acadêmicas de diversos países e muitas vezes não são preenchidos de forma apropriada. Muitos trabalhos não contêm, por exemplo, o nome do orientador”, explica. Uma das principais dificuldades, ele diz, é obter dados que possam ser identificados e processados automaticamente. “Ainda que a disponibilidade de dados sobre pesquisadores seja muito maior do que no passado, estudos de genealogia acadêmica ainda exigem um trabalho de limpeza, mas que no fim vale a pena”, diz Laender. Os primeiros resultados da pesquisa foram apresentados em uma conferência internacional sobre bibliotecas digitais realizada em Newark, Estados Unidos.


Matérias relacionadas

ETELVINO BECHARA
Químico elucidou a ação de compostos muito reativos, os radicais livres
CIENTOMETRIA
Plataforma Lattes abastece estudos sobre a ciência no país
GISELE ODA
Os desafios de estudar o relógio biológico dos tuco-tucos