NOTÍCIAS

Print Friendly

Edição fac-símile traz a público obra infantil inédita do final do século XIX

Versos para os pequeninos foi escrito entre 1886 e 1897 pelo educador João Köpke e contém 24 poemas para crianças

CARLOS FIORAVANTI | Edição Online 14:55 17 de março de 2017

 

Revista Pesquisa FAPESP
Podcast: Norma Ferreira
Inédito por pelo menos 120 anos, Versos para os pequeninos agora pode ser lido em mídia eletrônica. Com 24 poemas infantis​, o livro foi​ escrito entre 1886 e 1897 pelo bacharel em direito e educador fluminense João Köpke (1852-1926)​​.​ “Provavelmente não foi publicado na época por destoar das propostas pedagógicas e da visão sobre criança predominantes no final do século XIX”, sugere Norma Ferreira, professora da Faculdade de Educação da  Universidade Estadual de Campinas (Unicamp),​​​ que o analisou em sua tese de livre-docência​.

Os poemas consistem de histórias alegres e rimas simples, tratando da Lua, de avós, brincadeiras, brinquedos, animais e canções das crianças​. O livro chegou às mãos da pesquisadora por intermédio da pedagoga Maria Lygia Köpke Santos, bisneta do autor, depois de ter sido guardado por seu pai e por seu avô. Autorizada a publicação, a equipe de Pesquisa FAPESP produziu o original para acesso on-line, em colaboração com a equipe de Norma Ferreira. Não há previsão de uma versão impressa.

​O resgate de Versos para os pequeninos integra a reportagem de capa da edição de março de Pesquisa FAPESP sobre a produção de livros infantis do final do século XIX até o início do século XX. ​Estudos recentes examinaram os autores nacionais e ​a articulação entre editores, escritores, divulgadores e leitores​, que​ ​se estabeleceu décadas antes ​de Monteiro Lobato começar a lançar seus livros para crianças e provocar mudanças radicais na literatura infantil brasileira.


Matérias relacionadas

CAPA
Livros infantis de autores nacionais já circulavam no final do século XIX
CAPA
Editores e professores se articulavam para produzir livros para crianças
EDGAR TEODORO DA CUNHA
Antropólogo fala sobre o que seria o primeiro documentário etnográfico