Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

Oceanografia

A chegada do Alpha Delphini

O barco Alpha Delphini e o navio Alpha-Crucis ancorados em Santos: aumento da capacidade de pesquisa em oceanografia

Eduardo CesarO barco Alpha Delphini e o navio Alpha-Crucis ancorados em Santos: aumento da capacidade de pesquisa em oceanografiaEduardo Cesar

Foi inaugurado no dia 12 de agosto, no porto de Santos, o barco oceanográfico Alpha Delphini. Sua construção, feita num estaleiro do estado do Ceará, tornou-se possível graças a um projeto submetido à FAPESP pelo Instituto Oceanográfico (IO) da USP no âmbito do Programa Equipamentos Multiusuários (EMU). O início da operação do Alpha Delphini acontece pouco mais de um ano após a inauguração do navio oceanográfico Alpha-Crucis, também financiado pela FAPESP (ver Pesquisa FAPESP n° 195), que já fez até agora sete cruzeiros.“O Alpha Delphini complementa o Alpha-Crucis e supre uma carência que tínhamos desde a interrupção das operações do navio Professor W. Besnard, porque tem autonomia equivalente à dele, mas com custo menor e maior possibilidade de realização de manobras marítimas”, disse Michel Michaelovitch de Mahiques, diretor do IO-USP, à Agência FAPESP. O Professor W. Besnard foi utilizado de 1967 até 2008, quando sofreu um incêndio e ficou sem condições operacionais de pesquisa. “Quando os professores da USP apresentaram à FAPESP as propostas relacionadas ao Alpha-Crucis e ao Alpha Delphini, a Fundação se dispôs, imediatamente, a apoiar os dois projetos por entender sua importância para o avanço da pesquisa em oceanografia no estado de São Paulo”, disse o presidente da FAPESP, Celso Lafer, que participou da inauguração com o reitor da USP, João Grandino Rodas. O custo total do barco foi de R$ 6 milhões. A FAPESP destinou R$ 4,4 milhões para a construção da embarcação. O restante – motores e uma série de equipamentos científicos – foi financiado pela USP. Sua autonomia de navegação é de 10 a 15 dias, dependendo do número de tripulantes, e ele poderá operar em toda a faixa de 200 milhas marítimas da fronteira litorânea.

Republicar