Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

Tecnociência

Aeromodelo substitui satélites

Monitorado por controle remoto e capaz de produzir imagens de alta resolução, um aeromodelo está desempenhando tarefas na área agrícola e ambiental que antes só podiam ser feitas com a ajuda de satélites. O protótipo foi desenvolvido pela Embrapa Instrumentação Agropecuária em parceria com o Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação da Universidade de São Paulo (USP) de São Carlos. Equipados com filmadoras e transmissores que mandam informações para um computador em terra, os aeromodelos fazem levantamentos topográficos, obtêm mapas detalhados de propriedades e podem até identificar os pontos dos terrenos que estão sujeitos a erosão e localizar pragas na lavoura.

São três tipos de aeroplano – o maior tem 1,80 metro de comprimento e pesa 5 quilos e o menor tem 1 metro e pesa 1,5 quilo – e um helicóptero. “O avião destina-se a monitorar áreas grandes, enquanto o helicóptero é ideal para tirar fotos muito próximas do chão em áreas de difícil acesso”, conta Lúcio André de Castro Jorge, pesquisador da Embrapa Instrumentação, que participa do desenvolvimento do Projeto Aeronaves de Reconhecimento Assistidas por Rádio e Autônomas (Arara), há três anos.

“O grande diferencial do aeromodelo está na alta tecnologia de processamento e análise de imagens agregadas, porque utiliza softwares que permitem sua utilização de forma precisa e rápida”, explica. O professor Onofre Trindade Júnior, da USP, é responsável pela instrumentação das aeronaves, e a Embrapa, pelo processamento de imagens. Uma fazenda de Campo Bom, em Mato Grosso do Sul, que também financia a pesquisa, utiliza um dos aeromodelos para avaliar onde será feito o plantio dentro dos seus 42 mil hectares de soja e milho. A próxima etapa do projeto prevê um módulo de piloto automático já testado em São Carlos.

Republicar