guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Memória

Água de beber

Há cem anos, surgiam os primeiros filtros embutidos em talhas cerâmicas

Conseguir água limpa para beber sempre foi um problema para as populações em todo o mundo. No Brasil, durante o período colonial e imperial não existiam sistemas eficientes de distribuição e tratamento de água que atendessem às residências. As pessoas se serviam da água de rios canalizada para chafarizes e bicas, distribuídas em alguns pontos das cidades. Na zona rural, a captação era feita em poços, riachos ou em cisternas. As talhas de argila com a vela filtrante embutida dentro, presença obrigatória nas residências brasileiras até os anos 1980, surgiram apenas no começo do século 20. Até o final do século 19, observar a cor, o cheiro ou a presença visível de partículas era uma das poucas maneiras de o consumidor decidir se a água era boa para beber. Um dos métodos mais comuns era decantá-la, isto é, deixá-la “descansando” em recipientes para que as impurezas se depositassem no fundo, por gravidade.

Assim, bastava usar uma concha para tirar a parte “limpa” por cima. A outra prática, mais eficaz, mas pouco usada, era ferver a água. Em algumas residências, usava-se uma pedra porosa de 10 centímetros de espessura em formato de cuba. Jogava-se a água dentro da cuba que era absorvida por ela e pingava numa talha de argila. Também no início do século 20 começaram a chegar ao país os filtros Berkfeld e Pasteur. Feitos de velas ocas de porcelana porosa dentro de recipientes de metal, produzidas na Alemanha e na Inglaterra, eram instalados no ponto de entrada da água na casa. A grande inovação na filtragem da água ocorreu nas duas primeiras décadas do século passado.

“Empresas de cerâmica de São Paulo passaram a equipar com elementos filtrantes as talhas que produziam”, conta o pesquisador de história econômica Julio Cesar Bellingieri, da Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista (Unesp), de Araraquara. A talha de argila apenas armazenava a água e a mantinha fresca para o consumo. A partir do momento em que se acoplou um filtro, o recipiente foi dividido em duas partes: a de cima, com o filtro, e a de baixo, onde cai a água que passa pela vela.

“Apesar de o princípio do processo de fabricação de filtros já ser conhecido em outros países e a talha cerâmica como recipiente de água ser uma prática que remonta ao inicio da civilização, esses dois elementos só passariam a ser combinados no início do século 20, e apenas no Brasil, dando origem a um novo produto”, explica Bellingieri. Esses primeiros filtros eram apenas uma massa achatada de argila, areia fina e carvão, levada ao forno para queima e colada no fundo do recipiente superior da talha. Depois se criou outro, em formato de vela, composto, em alguns casos, de uma mistura de caulim (argila branca) e filito (um tipo de mineral). A partir dos anos 1930, a talha com filtro difundiu-se pelo Brasil e ganhou um lugar nobre em todas as cozinhas. Nos últimos 20 anos surgiram filtros mais modernos com microfiltragem e elementos bactericida.

Republicar