Prêmio CBMM
Imprimir PDF Republicar

Brasil

Álcool a partir do bagaço da cana

O uso do bagaço de cana-de-açúcar para a produção de álcool (etanol) está perto de se transformar em realidade. A nova tecnologia, que poderá elevar em 30% a produção do combustível no Brasil sem a necessidade de expansão da cultura, encontra-se em fase final de desenvolvimento pelo Grupo Dedini, um dos maiores fabricantes de máquinas e equipamentos para o setor sucroalcooleiro. Em novembro, a empresa deu um grande passo ao inaugurar uma Unidade de Demonstração do Processo (UDP) na Usina São Luiz, em Pirassununga (SP), com capacidade para produzir 5 mil litros de álcool por dia. As plantas em escala industrial serão dimensionadas para uma produção diária de 60 mil litros.

Dentro de seis meses deve ficar pronta a primeira dessas unidades capaz de fabricar etanol a partir do bagaço, combustível produzido, atualmente, a partir do caldo da cana. "A UDP está sendo útil para a definição de parâmetros de engenharia que ajudarão a elaborar o projeto e o dimensionamento da primeira unidade em escala industrial", explica José Luiz Olivério, vice-presidente de Tecnologia e Operações da Dedini, que tem sede em Piracicaba (SP). Segundo o executivo, quando estiver pronta, a tecnologia será repassada para usineiros interessados em converter o bagaço em etanol.

O preço da unidade industrial ainda não está definido, mas, de acordo com Olivério, exigirá o mesmo investimento dos processos tradicionais de fabricação de álcool, a partir do caldo da cana". Os estudos para desenvolvimento da tecnologia contaram com a participação do Centro de Tecnologia da Cooperativa de Produtores de Cana, Açúcar e Álcool do Estado de São Paulo (Copersucar) num projeto que recebeu financiamento da FAPESP por meio do Programa Parceria para Inovação Tecnológica (PITE) (veja Pesquisa FAPESP n° 77).

Batizado de Dedini Hidrólise Rápida (DHR), o processo transforma o bagaço e a palha em álcool em poucos minutos por meio de um processo de hidrólise (reação química com água). Ele já está patenteado no Brasil, Estados Unidos, União Européia, Rússia e vários países da América Latina.

Republicar