guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republish

Mundo

Alter ego no reino animal

Alter ego no reino animal Museus de história natural freqüentemente guardam espécies que ainda não foram descritas. Em boa medida, isso é causado pela falta de investimento na taxonomia, ciência que lida com a identificação e a classificação de organismos. A entidade alemã Biopat, sigla para Patronos da Biodiversidade, arrumou uma forma engenhosa de enfrentar o problema. Em troca de dinheiro, permite que qualquer pessoa batize uma nova espécie. Mais de cem patrocinadores já destinaram mais de US$ 450 mil para pesquisa e conservação. O dinheiro é dividido entre a instituição que descobriu o organismo e projetos de pesquisa nos países onde ele foi encontrado. Entre as espécies cujos nomes foram “vendidos” há orquídeas, sapos e insetos de países como a Bolívia, Madagascar e Filipinas. O consultor norte-americano Stan Vlasimsky é um patrocinador generoso. Os membros de sua família têm um alter ego no reino animal. Uma orquídea boliviana, Epidendrum lezlieae, homenageia a mulher, Lezlie. A filha Claudia e o filho Liam batizaram sapos do Panamá e de Madagascar, enquanto o caçula Carden emprestou o nome a um lagarto peruano, Euspondylus cardenii. “É um jeito de ajudar a ciência e dar um presente permanente a quem se ama”, diz Vlasimsky, cujo alter ego animal é o besouro Eupholus vlasimskyi. O custo de batizar uma espécie vai de US$ 3,5 mil para insetos até US$ 13 mil para beija-flores. Há cerca de 40 animais sem nome à espera de patrocinadores, no site www.biopat.de (Science, 4 de março)

Republish