guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Desnutrição

Alterações oftalmológicas

A situação ocular de crianças que tiveram desnutrição energético-protéica durante os primeiros anos de vida dão suporte ao conceito de que esse fenômeno, ocorrendo precocemente, interfere na saúde visual dos indivíduos. Essa é a principal conclusão do estudo Manifestações oculares em pacientes que tiveram desnutrição nos primeiros seis meses de vida, de Alessandra Pereira Dantas e Daena Leal, pesquisadores da Fundação Altino Ventura (FAV), no Recife, e Carlos Teixeira Brandt, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Foram analisados olhos de 91 crianças entre 2 e 11 anos que tiveram desnutrição grave durante os primeiros seis meses de vida. O estudo teve ainda como grupo controle 88 crianças, selecionadas aleatoriamente segundo características similares de idade, gênero, condições econômicas e demográficas. Foi observado no primeiro grupo, de forma significante, maior freqüência de crianças com sérias alterações oftalmológicas. “A desnutrição energético-protéica constitui-se num dos principais problemas de saúde coletiva em escala mundial, por sua magnitude, conseqüências biológicas e danos sociais”, alertam os pesquisadores. No Nordeste do Brasil, por exemplo, as formas graves de desnutrição chegam a atingir 24% das crianças menores de cinco anos de idade. De acordo com o artigo, a desnutrição que ocorre no período pós-natal pode ocasionar lesões cerebrais permanentes, responsáveis pelo retardo do desenvolvimento neuropsicomotor das crianças desnutridas, o qual pode ser reversível se a recuperação da desnutrição se faz em condições socioculturais favoráveis. “E a visão desenvolve-se principalmente nos seis primeiros anos de vida. A sua plasticidade sensorial é maior nos dois primeiros anos, isto é, até esta idade qualquer obstáculo ao desenvolvimento da visão causa diminuição rápida da acuidade visual, assim como o tratamento neste período promove pronta recuperação”, afirma o estudo. Assim como o desenvolvimento do sistema nervoso central pode ser afetado pelo comprometimento nutricional, e havendo grande possibilidade de lesões cerebrais graves e até permanentes, o sistema visual pode ter seu desenvolvimento prejudicado e evoluir com seqüelas oculares.

Arquivos Brasileiros de Oftalmologia VOL.68 – Nº6 – São Paulo – NOV./DEZ. 2005

www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27492005000600009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

Republicar