Guia Covid-19
Imprimir Republicar

Saúde pública

Andou em matas do litoral e tem febre? Pode ser malária

Bugios e macacos-prego abrigam espécie de protozoário da mesma linhagem capaz de infectar pessoas e causar a doença

Anopheles, o mosquito que transmite o protozoário causador da malária para as pessoas

James Gathany, USCDCP / Pixnio

Dois moradores da cidade de São Paulo mudaram-se para uma casa alugada em São Sebastião, no litoral paulista. Queriam ficar longe da Covid-19, mas ficaram perto das matas e contraíram malária.

No estado de São Paulo, de janeiro a abril deste ano, outras três pessoas foram diagnosticadas no Núcleo de Estudos em Malária da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FM-USP) após se infectarem no Parque Nacional Serra da Bocaina e em um condomínio arborizado, ambos no município de São José do Barreiro, e em uma trilha próxima a um camping em Mogi das Cruzes. Em agosto de 2020, essa equipe diagnosticou malária na atriz Camila Pitanga e sua filha de 12 anos, ambas isoladas em uma área de Mata Atlântica no litoral paulista.

“É muito provável que os parasitas tenham sido transmitidos aos pacientes a partir de primatas que vivem nas matas e servem de reservatório para Plasmodium”, conclui a bióloga Silvia Di Santi, pesquisadora da Superintendência de Controle de Endemias (Sucen) e do Instituto de Medicina Tropical da FM-USP. “Em todos os casos as pessoas infectadas tiveram contato com a Mata Atlântica e não foram encontrados doentes vindos de área de transmissão, como a Amazônia ou outros países.”

Entrevista: Silvia Di Santi
00:00 / 19:42

Na Amazônia, que concentra mais de 99% dos 140 mil casos de malária registrados em 2020 no Brasil, os mosquitos do gênero Anopheles transmitem Plasmodium vivax, a principal espécie causadora da doença, diretamente de uma pessoa para outra, sem intermediação de outros animais.

“O risco de surtos em moradores de cidades próximas a remanescentes de Mata Atlântica é grande”, alerta o médico parasitologista Marcelo Urbano Ferreira, do Instituto de Ciências Biomédicas da USP.

Com sua equipe e colegas de Santa Catarina, do Espírito Santo, do Rio de Janeiro e da Universidade Harvard, nos Estados Unidos, ele verificou que os genomas (conjunto de genes) de P. simium, a espécie mais encontrada em bugios e macacos-prego da Mata Atlântica do Sudeste, e de P. vivax são muito similares. Portanto, o primeiro seria uma derivação, com alguma diferenciação genética, de P. vivax que se adaptou aos mosquitos e a macacos da Mata Atlântica do litoral.

Um estudo publicado em abril na revista científica Journal of Infectious Diseases detalha as análises genéticas que levaram a esse resultado. As conclusões enfraquecem a hipótese de 20 anos atrás de que P. simium teria vindo do Sudeste Asiático separadamente das espécies de Plasmodium da Europa e da África que se espalharam pela América do Sul.

Manel Vidal/Wikimedia Uma pessoa foi diagnosticada com malária na cidade de São Paulo após visitar uma mata como esta, no Parque Nacional da Serra da Bocaina, no início de 2021Manel Vidal/Wikimedia

Ainda não está claro se P. simium e P. vivax seriam espécies distintas. Ferreira defende que não são. Um dos argumentos: “A distância genética entre eles é bem menor do que a distância entre populações de P. vivax de diferentes regiões do Brasil”.

Por outro lado, ele acrescenta, P. simium tem peculiaridades genéticas, como uma grande deleção [perda de um trecho] em uma proteína de ligação com as células vermelhas do sangue, que poderiam ter facilitado a adaptação nos mosquitos e macacos da Mata Atlântica litorânea. Para comparar os dois genomas, as biólogas Thaís Crippa de Oliveira e Priscila Thihara Rodrigues, do grupo de Ferreira, examinaram quatro amostras de P. simium coletadas no sangue de macacos (três bugios e um macaco-prego) e sete de moradores do Espírito Santo que tiveram malária.

“Temos de ficar atentos”, alerta a bióloga Luisa Rona Pitaluga, da Universidade Federal de Santa Catarina, que participou desse trabalho. Especialista em mosquitos da Mata Atlântica, ela diz que os Anopheles poderiam manter a transmissão porque são abundantes nas matas do litoral, como descrito em outro artigo de que participou publicado em fevereiro de 2019 na Pathogens and Global Health. “Já encontrei Anopheles na garagem de minha casa, aqui em Florianópolis”, acrescenta. P. simium não foi identificado em macacos e outros animais da Amazônia.

O primeiro caso registrado de transmissão de P. simium foi em 1966, em um homem que se infectara em uma área de mata do Horto Florestal da cidade de São Paulo, até então sem nenhum caso de malária. Em 2017, uma equipe da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) retomou a possibilidade de transmissão intermediada por macacos contaminados para explicar os casos de malária com sintomas leves de 28 moradores da região serrana do Rio de Janeiro.

Os sintomas desse tipo de malária variam desde a febre alta, calafrios e sudorese a cada 48 horas em quem contrai a doença pela primeira vez até a ausência de sintomas, em quem já se infectou várias vezes, segundo Di Santi.

“A falta de conhecimento dos profissionais de saúde das regiões Sudeste e Sul sobre os sintomas dificulta o diagnóstico e aumenta o risco de transmissão por doações de sangue e de órgãos”, diz ela (o sangue não é testado contra malária na região Sudeste).

Em um estudo publicado em dezembro de 2020 na Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, seu grupo detectou a infecção por Plasmodium em 2 de 292 doadores de sangue na capital paulista – ambos sem sintomas da doença, mas com movimentação pela Mata Atlântica. “Um dos doadores se infectou quando foi pescar em Iguape”, conta Di Santi.

Projetos
1. Bases científicas para a eliminação da malária residual na Amazônia Brasileira (nº 16/18740-9); Modalidade Projeto Temático; Pesquisador responsável Marcelo Urbano Ferreira (USP); Investimento R$ 3.509.233,11.
2. Aspectos epidemiológicos da malária humana e símia em áreas de Mata Atlântica no entorno da cidade de São Paulo: Estudo da fauna de anofelinos e infecção natural por Plasmodium sp. em Parelheiros e na serra da Cantareira (nº 14/10919-4); Modalidade Auxílio à Pesquisa ‒ Regular; Pesquisadora responsável Ana Maria Ribeiro de Castro Duarte (Sucen); Investimento R$ 220.552,10.
3. Plataforma para diagnóstico de malária aplicada em amostras de doadores de sangue de áreas endêmicas e não endêmicas brasileiras processadas em pool: Determinação da frequência de positividade utilizando marcadores moleculares e sorológicos (nº 12/18014-5); Modalidade Auxílio à Pesquisa ‒ Regular; Pesquisadora responsável Silvia Maria Fátima Di Santi (Sucen); Investimento R$ 146.736,24.

Artigos científicos
OLIVEIRA, T. C. de et al. Plasmodium simium: Population genomics reveals the origin of a reverse zoonosis. Journal of Infectious Diseases. On-line. 21 abr. 2021.
CARLOS, B. C. et al. A comprehensive analysis of malaria transmission in Brazil. Pathogens and Global Health. v. 113, n. 1, p. 1-13. fev. 2019.
ASCHAR, M. et al. The hidden Plasmodium malariae in blood donors: a risk coming from areas of low transmission of malaria.
Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo. V. 62, e100, p. 1-5. 18 dez. 2020.
LIMA, G. F. M. C. et al. Asymptomatic infections in blood donors harbouring Plasmodium: an invisible risk detected by molecular and serological tools. Blood Transfusion. V. 16, p. 17-25. jan. 2018.

Republicar