guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Pesquisa pré-universitária

Aprendizado aplicado

Das sementes do urucum, de onde se extrai um pigmento vermelho usado pelos índios como corante e proteção da pele, o estudante Bruno de Oliveira Buzzo criou um creme que em associação com o óxido de zinco mostrou em testes ser um eficiente protetor solar. A pesquisa feita pelo estudante quando cursava o terceiro colegial em Rio Claro, interior paulista, com orientação do professor José Eduardo Diotto, foi uma das nove escolhidas para representar o Brasil na Feira Internacional de Ciências e Engenharia (Isef), que será realizada de 10 a 15 de maio nos Estados Unidos. Promovida pela empresa Intel, a feira reúne estudantes pré-universitários de cerca de 50 países. A escolha dos projetos brasileiros foi feita por um comitê de avaliação composto por mais de cem professores universitários voluntários, durante a Feira Brasileira de Ciên­cias e Engenharia (Febrace) 2009, promovida pelo Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI) da Escola Politécnica (Poli) da Universidade de São Paulo, entre os dias 17 e 19 de março. “Realizada pelo sétimo ano consecutivo, a feira foi criada com o objetivo de estimular a cultura investigativa, de inovação e empreendedorismo na educação básica brasileira”, diz a professora Roseli de Deus Lopes, do LSI da Poli, coordenadora da Febrace. Bruno, que hoje cursa medicina na Pontifícia Universidade Católica de Campinas e prossegue com as pesquisas sobre o protetor solar de urucum, conta que descobriu que poderia fazer e gostar de ciência quando conheceu o trabalho da Febrace, no segundo colegial. A feira, montada em uma tenda gigantesca ao lado das instalações da Poli, abrigou 282 trabalhos científicos, escolhidos entre mais de mil inscritos, nas áreas de engenharia, ciências exatas e da terra, biológicas, saúde, agrárias, sociais e humanas de todo o Brasil. Entre os projetos selecionados para a competição internacional estão um dispositivo eletrônico que mede a umidade do solo e aciona o sistema de irrigação, de São João del-Rei (MG), e o uso da fibra do buriti como alternativa ao isopor, de Imperatriz (MA).

Republicar