Guia Covid-19
Imprimir Republicar

Evolução

As origens do ouvido interno de aves e crocodilos

Estudo de espécies extintas sugere função mais ligada à visão do que ao equilíbrio

Estudo evolutivo de canais semicirculares do ouvido interno permite inferir sua função

Rodolfo Nogueira

A capacidade de os animais vertebrados de manter o equilíbrio do corpo durante o movimento depende muito de estruturas do ouvido interno conhecidas como canais semicirculares. Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) em Ribeirão Preto investigou a evolução dessa estrutura nas espécies mais antigas de arcossauros, incluindo os dinossauros e os pterossauros (répteis voadores), assim como nos crocodilos e nas aves atuais considerados os descendentes desses animais extintos.

A equipe internacional de paleontólogos coordenada por Mario Bronzati, da USP, reconstituiu a estrutura tridimensional dos canais semicirculares de 37 espécies fósseis de arcossauros e as comparou com a estrutura dos canais de 44 espécies viventes de répteis.

O estudo concluiu que o ouvido interno dos crocodilos não é tão parecido com os de seus ancestrais mais remotos, como se pensava. O trabalho também derruba a noção de que os canais semicirculares mais alongados das aves seriam um resultado evolutivo relativamente recente, necessário à aquisição da capacidade de voar. “Na verdade, as espécies mais antigas de dinossauros já possuíam canais semicirculares parecidos com os das aves”, conta Bronzati.

O achado sugere que os canais alongados, característica comum de aves de rapina, estariam então mais relacionados ao desenvolvimento da visão nos dinossauros, permitindo aos animais manter o foco de seu campo visual durante o movimento.

Projetos
1. A origem e irradiação dos dinossauros no Gondwana (Neotriássico – Eojurássico) (nº 14/03825-3); Modalidade Projeto Temático; Pesquisador responsável Max Langer (USP); Investimento R$ 2.099.538,25.
2. Integrando evo-devo e paleontologia no estudo da origem e evolução do ouvido timpânico em diapsida (nº 18/18145-9); Modalidade Bolsa de Pós-doutorado; Pesquisadora responsável Tiana Kohlsdorf (USP); Beneficiário Mario Bronzati Filho; Investimento R$ 305.246,34.

Artigo científico
BRONZATI, N. et al. Deep evolutionary diversification of semicircular canals in archosaurs. Current Biology. On-line. 29 abr. 2021.

Republicar