guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Convênios

Assinados acordos com instituições francesas

Os projetos temáticos financiados pela FAPESP agora poderão contar com a colaboração de jovens doutores franceses com destacado desempenho científico ou tecnológico. Acordo nesse sentido foi firmado entre a Fundação e o Comitê Francês de Avaliação da Cooperação Universitária com o Brasil (Cofecub), durante visita do ministro da Educação Nacional, Pesquisa e Tecnologia da França, Claude Allègre, a São Paulo, em abril. A preferência à participação nesses projetos será dada a candidatos franceses que tenham concluído o doutorado até cinco anos antes da solicitação da bolsa. Os selecionados receberão bolsa mensal no valor de R$ 2.570,00.

As bolsas serão concedidas por um período de um ano, com a possibilidade de prorrogação anual por até três anos. Será exigido do candidato bons conhecimentos de inglês. Apesar de desejável, a proficiência em português não será pré-requisito. As passagens de ida e volta serão de responsabilidade do Cofecub. O Cofecub divulgará junto às universidades e instituições de pesquisa francesas a relação de coordenadores dos projetos temáticos em andamento interessados em receber bolsistas para pós-doutoramento em São Paulo. O candidato encaminhará a documentação simultaneamente ao coordenador do projeto e ao Cofecub. Caberá ao coordenador encaminhar a solicitação de bolsa à FAPESP, que decidirá sobre a concessão ou não num prazo de três meses.

Na mesma ocasião foi assinado um acordo entre o Centro de Cooperação Internacional em Pesquisa Agronômica para o Desenvolvimento (Cirad), da França, e a FAPESP, com o objetivo de intensificar a colaboração na área da pesquisa agronômica e ciências conexas aplicadas ao desenvolvimento tecnológico e à inovação.  As modalidades de cooperação previstas são: intercâmbio de pesquisadores envolvidos em projetos conjuntos; realização de programas e projetos conjuntos de pesquisa e de desenvolvimento; realização de conferências, cursos, seminários e simpósios; difusão e valorização dos resultados, métodos e técnicas desenvolvidos e obtidos em conjunto.

A implementação dessas atividades ocorrerá através de acordos específicos. O Cirad e a FAPESP poderão convidar outras instituições de cooperação técnica ou de apoio financeiro, comunidades científicas, acadêmicas ou comerciais para participar das iniciativas previstas. O Instituto Nacional de Pesquisa Agronômica da França poderá ser incluído como parceiro no acordo.

Cooperação em mão dupla
A visita da delegação de Claude Allègre no dia 16 de abril a São Paulo possibilitou a assinatura de diversos acordos de cooperação científica, tecnológica, educacional e cultural entre instituições francesas e brasileiras, além de compromissos firmados diretamente entre os governos francês e brasileiro. Na USP, foi estabelecido acordo entre o Conservatoire National des Arts e Métiers (CNAM) e a Escola Politécnica, para cooperação na área de materiais poliméricos, sobretudo. A USP também assinou um protocolode intenções com a Fundação Nacional de Ciências Políticas da França para o estabelecimento de convênio nas áreas de ensino, pesquisa ou extensão de serviços à comunidade. Ainda na USP, Allègre, que é um geoquímico de renome internacional, fez a conferência A Formação da Terra , assistida por mais de 400 pessoas, no Auditório da Escola Politécnica.

No mesmo dia, na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Allègre e dirigentes de instituições de pesquisa francesas reuniram-se com a diretoria da FAPESP, quando foram firmados os acordos de cooperação. Na ocasião, o presidente do Conselho Superior da Fundação, Carlos Henrique de Brito Cruz, fez uma apresentação da agência paulista e o diretor científico, José Fernando Perez, discorreu sobre os diversos programas da FAPESP. Foi observado que as prioridades francesas citadas pelo ministro – inovação tecnológica, genoma e incentivo à formação de jovens pesquisadores – são muito semelhantes às adotadas pela FAPESP.

Em seguida, houve uma conferência-debate sobre formação tecnológica, no Salão Nobre da Fiesp, com a participação do ministro francês, do ministro de Ciência e Tecnologia brasileiro, Luiz Carlos Bresser Pereira, do secretário de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo, José Aníbal, do presidente da Fiesp, Horácio Piva, do diretor de Desenvolvimento Tecnológico da Fiesp, Osíris Silva, e do presidente do Senai, Fábio Aidar. Allègre também esteve na Unicamp e no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron em Campinas. Sua visita se estendeu ainda ao Rio de Janeiro, Brasília – onde firmou protocolos de cooperação com o governo brasileiro – e a Manaus.

Republicar